Alexandre informa CPI que inquérito das ‘fake news’ no Supremo aguarda diligências

Alexandre informa CPI que inquérito das ‘fake news’ no Supremo aguarda diligências

Ministro informou a comissão que investiga 'fake news' na Câmara dos Deputados que ainda estão sendo realizadas apurações sigilosas

Rafael Moraes Moura/BRASÍLIA

05 de dezembro de 2019 | 20h56

O ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), decidiu não compartilhar neste momento com a CPMI das fake news o inquérito que apura ameaças, ofensas e notícias falsas disparadas contra integrantes da Corte e seus familiares. De acordo com o ministro, o processo aguarda a “conclusão de diligências sigilosas”.

O ministro do Supremo Tribunal Federal Alexandre de Moraes. Foto: Gabriela Biló / Estadão

“Tenho a honra de dirigir-me à V. Exa para informar que o referido inquérito aguarda conclusão de diligências sigilosas realizadas. A oportunidade permite-me renovar a Vossa Excelência, bem como a seus eminentes pares, meus protestos de elevado respeito e distinta consideração”, escreveu Moraes, em ofício endereçado ao presidente da comissão, senador Angelo Coronel (PSD-BA).

O inquérito foi prorrogado por 180 dias, prazo que se encerra em janeiro do ano que vem.

O caso entrou na mira da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), da Procuradoria-Geral da República (PGR), da cúpula dos militares e de integrantes do Congresso Nacional após levar à censura de reportagem publicada na revista digital Crusoé e no site O Antagonista e à operação de busca e apreensão em endereços de pessoas que já criticaram o STF – entre elas o general da reserva Paulo Chagas, candidato ao governo do Distrito Federal pelo PRP ,que chegou a ter o computador apreendido.

A investigação foi aberta em março deste ano por determinação do próprio presidente do STF, ministro Dias Toffoli, que designou Moraes para cuidar do caso.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: