Alexandre informa CPI que inquérito das ‘fake news’ no Supremo aguarda diligências

Alexandre informa CPI que inquérito das ‘fake news’ no Supremo aguarda diligências

Ministro informou a comissão que investiga 'fake news' na Câmara dos Deputados que ainda estão sendo realizadas apurações sigilosas

Rafael Moraes Moura/BRASÍLIA

05 de dezembro de 2019 | 20h56

O ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), decidiu não compartilhar neste momento com a CPMI das fake news o inquérito que apura ameaças, ofensas e notícias falsas disparadas contra integrantes da Corte e seus familiares. De acordo com o ministro, o processo aguarda a “conclusão de diligências sigilosas”.

O ministro do Supremo Tribunal Federal Alexandre de Moraes. Foto: Gabriela Biló / Estadão

“Tenho a honra de dirigir-me à V. Exa para informar que o referido inquérito aguarda conclusão de diligências sigilosas realizadas. A oportunidade permite-me renovar a Vossa Excelência, bem como a seus eminentes pares, meus protestos de elevado respeito e distinta consideração”, escreveu Moraes, em ofício endereçado ao presidente da comissão, senador Angelo Coronel (PSD-BA).

O inquérito foi prorrogado por 180 dias, prazo que se encerra em janeiro do ano que vem.

O caso entrou na mira da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), da Procuradoria-Geral da República (PGR), da cúpula dos militares e de integrantes do Congresso Nacional após levar à censura de reportagem publicada na revista digital Crusoé e no site O Antagonista e à operação de busca e apreensão em endereços de pessoas que já criticaram o STF – entre elas o general da reserva Paulo Chagas, candidato ao governo do Distrito Federal pelo PRP ,que chegou a ter o computador apreendido.

A investigação foi aberta em março deste ano por determinação do próprio presidente do STF, ministro Dias Toffoli, que designou Moraes para cuidar do caso.

Tendências: