AGU chama 60 advogados e amplia força-tarefa contra corrupção

AGU chama 60 advogados e amplia força-tarefa contra corrupção

Portaria determina que Procuradoria-Geral da União e Consultoria-Geral divulguem no prazo de dez dias edital para seleção de profissionais; Grupo Permanente de Atuação Proativa, que em 2018 propôs 4.345 ações e arrecadou R$ 461,91 milhões, vai de 100 a 160 integrantes

Redação

02 de abril de 2019 | 06h53

Sede da Advocacia-Geral da União, em Brasília. Foto: Leogump Carvalho/AGU

A Advocacia-Geral da União vai ampliar o Grupo Permanente de Atuação Proativa, equipe de combate à corrupção e recuperação de ativos.
Portaria publicada na última sexta, 29, determina que a Procuradoria-Geral da União (PGU) e a Consultoria-Geral da União (CGU) divulguem, no prazo de 10 dias, edital para seleção de até 60 Advogados da União, atualmente lotados em órgãos da Consultoria-Geral da União, para reforçar o elenco.

Com isso, o grupo, que conta atualmente com 100 integrantes, poderá contar com até 160 advogados da União.

Vinculado ao Departamento de Patrimônio e Probidade da Procuradoria-Geral da União, órgão da AGU, o Grupo Permanente de Atuação Proativa propôs, somente em 2018, 4.345 ações e arrecadou R$ 461,91 milhões.

Criada em 2008, no âmbito da PGU, a equipe é responsável, por exemplo, pela proposição e acompanhamento de ações civis públicas, de improbidade administrativa, de ressarcimento ao Erário, de execução de julgados do Tribunal de Contas da União, dentre outras iniciativas.

Poderão participar da seleção advogados da União que atuem na Consultoria-Geral da União, Consultorias Jurídicas junto aos Ministérios, na Assessoria Jurídica da Agência Brasileira de Inteligência e nas Consultorias Jurídicas dos estados.

Tendências: