Agronegócio inteligente: como a transformação digital pode ir além do campo

Agronegócio inteligente: como a transformação digital pode ir além do campo

Leonardo Barros*

19 de outubro de 2020 | 13h56

Leonardo Barros. Foto: Divulgação

Assim como na indústria e no setor de prestação de serviços, o futuro do agronegócio também será digital. Isso significa a implementação de ferramentas que permitem controlar os campos e fazendas de qualquer lugar, mas também facilitam a gestão dos funcionários.

Novas tecnologias surgem no meio rural todos os dias e fortalecem o setor protagonista no Brasil. Com um crescimento no PIB de 5,26% no primeiro semestre de 2020, em comparação ao mesmo período do ano passado, esse dado mostra como o agronegócio vem alimentando a economia, colhendo ou produzindo insumos de alta qualidade e recebendo novos investimentos.

Constantemente a tecnologia no agronegócio é associada aos equipamentos autônomos, melhoramento genético e softwares de gestão agrícola. No entanto, a agricultura inteligente vai além dos recursos que otimizam operações e garantem mais produtividade.

Conceitos como Big Data 一 eficiente para melhorar informações sobre matéria-prima e condições climáticas, diminuindo custos e aumentando a produtividade 一 e a Internet das Coisas 一 que utiliza sensores e outros dispositivos para coletar informações 一 se associados a outras soluções, viabilizam uma administração empresarial moderna.

A tecnologia está cada vez mais presente no agronegócio, principalmente nos processos gerenciais que podem ser realizados pelo computador ou celular. Mas, a transformação digital não para por aí. Ela ajuda até mesmo na adequação à legislação trabalhista.

De modo a garantir que a jornada de trabalho do empregado rural seja executada corretamente, seguindo o limite de horas extras diárias e concedendo o intervalo intrajornada, destinado ao repouso ou alimentação a qual o funcionário tem direito, mais uma vez a tecnologia pode fazer parte do setor agrícola, dessa vez, com uma solução para controle de ponto digital.

A gestão incorreta da jornada de trabalho pode trazer prejuízos a qualquer negócio, seja pelo pagamento incorreto de horas extras, o que aumenta os custos da operação, ou até mesmo pela incidência de ações trabalhistas.

A marcação incorreta do período de trabalho pode gerar questionamentos sobre o pagamento das horas trabalhadas e das horas excedidas. Porém, o controle de ponto digital é uma solução segura e eficiente para evitar erros, fraudes e contestações na justiça do trabalho.

Nessa solução o registro de ponto é feito usando apenas o celular, tablet ou computador, facilitando a rotina dos trabalhadores que atuam nas pastagens, plantio ou colheita, e também daqueles que ficam no escritório ou nas rotas de distribuição.

O ponto digital torna a gestão da jornada de trabalho simplificada, tanto pela facilidade de registro, conferência dos dados e fechamento da folha de ponto, quanto pelos indicadores em tempo real. Dessa forma, as tomadas de decisão podem ser feitas com mais agilidade e baseadas nas informações sempre disponíveis na plataforma web e aplicativo mobile.

Soluções como essa otimizam a rotina do gestor de agronegócio. Ao contar com a tecnologia do controle de ponto digital ele pode redirecionar o seu tempo para outras atividades, com a certeza de que o processo seguirá sem transtornos e ainda vai auxiliar em outras ações importantes, por exemplo, o fechamento da folha de pagamento, por meio da integração entre softwares.

Investir em tecnologia no agronegócio é o caminho para impulsionar a produção e ainda favorecer a gestão de pessoas por meio da redução do trabalho manual e automação de processos.

*Leonardo Barros é CEO do Tangerino

Tudo o que sabemos sobre:

Artigoagronegócio

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.