Afinal, de que forma a tokenização muda o mercado financeiro?

Afinal, de que forma a tokenização muda o mercado financeiro?

Felippe Percigo*

13 de junho de 2021 | 04h00

Felippe Percigo. FOTO: DIVULGAÇÃO

Disruptiva como é, a tecnologia vem mudando o modo de enxergar muitos mercados, trazendo a possibilidade de inovar ainda mais em muitos projetos. Quando Satoshi Nakamoto surgiu com o Bitcoin e implementou este conhecimento ao blockchain, jamais se imaginou onde tudo chegaria. O blockchain se tornou tão relevante para o mundo, que muitas empresas e iniciativas surgiram a partir dele, possibilitando uma maior usabilidade e aplicações, como no caso da tokenização.

Esse novo processo tem mudado a maneira de ver o mercado financeiro e, ainda arrisco dizer, alterando a forma de investir nos mais diversos ativos que existem. Quando falamos em setor financeiro e de investimentos, logo pensamos nos ativos tradicionais, como as ações, fundos imobiliários, projetos de construção de prédios, recebíveis, entre muitos outros. Mas, tem um detalhe importante: a operacionalização de todos estes ativos é mais complexa do que imaginamos, uma vez que envolve sistemas de registro, compensação, liquidação e custódia.

A tokenização facilita e, além disso, permite que os custos sejam, significativamente, reduzidos. Tudo pode ser processado por computadores descentralizados utilizando algoritmos matemáticos e criptografias, no mesmo instante, sem nenhuma interferência humana. A única intervenção é a do proprietário do token, que é o responsável pelas assinaturas digitais de acesso para movimentá-los. De maneira, completamente transparente, a tokenização traz segurança e eficiência a todo o processo.

Levando em consideração a velocidade com que a informação chega a nós, há também a necessidade de modernização do sistema para possibilitar a agilidade e segurança aos processos como um todo. Algo que a tokenização, por meio do blockchain, resolve. Outro aspecto importante a pontuar é a necessidade de democratização do acesso a estes investimentos. Na minha visão, esta é a segunda grande mudança que veremos, intensamente, nos próximos tempos. Atualmente, apesar de já demonstrar popularização, alguns tipos de investimentos só estão acessíveis para uma certa parcela da população. Já com a tokenização, é possível eliminar a necessidade dos intermediários que oferecem esses investimentos, viabilizando a qualquer um investir em ativos aos quais nunca teve acesso antes, trazendo uma significativa mudança ao mercado financeiro.

Por fim, as mudanças que a tokenização traz, vão muito além do operacional, com a otimização dos processos e redução dos custos, elas influenciam também em todo um perfil comportamental. Por permitir que o investidor tenha a custódia dos ativos e controle sobre seu próprio capital, não é preciso confiar em ninguém a não ser nele mesmo. Definitivamente, todos esses fatores permitem, como mencionei anteriormente, que os investidores tenham acesso a produtos financeiros que eram apenas acessíveis a algumas pessoas e, então, veremos cada vez mais produtos disponíveis no mercado que não existiam antes. Isso define muito bem a tokenização: democratização, transparência e agilidade nos investimentos.

*Felippe Percigo é CMO da Liqi

Tudo o que sabemos sobre:

Artigo

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.