Aécio entrega passaporte no Supremo

Aécio entrega passaporte no Supremo

Senador tem agora 15 dias para se manifestar sobre recurso do procurador-geral da República que pede a decretação de sua prisão preventiva em inquérito por corrupção

Fausto Macedo e Luiz Vassallo

24 de maio de 2017 | 22h46

Aécio Neves. Foto: Daniel Teixeira/Estadão

O senador Aécio Neves (PSDB/MG) entregou seu passaporte nesta quarta-feira, 24, ao Supremo Tribunal Federal. A medida atende ordem do ministro Edson Fachin, relator da Operação Lava Jato na Corte máxima. Fachin mandou o tucano entregar o passaporte e decretou seu afastamento do mandato no âmbito da Operação Patmos, deflagrada no dia 18.

Aécio está sob investigação por suspeita de exigir propina de R$ 2 milhões do empresário Joesley Azevedo, acionista da JBS. Formalmente, o senador é alvo de inquérito por suspeita de corrupção passiva, obstrução de investigação e participação em organização criminosa. Ele nega os crimes e diz ter sido vítima de ‘uma armação’ de Joesley, que gravou conversa entre eles em um hotel em São Paulo.

Joesley e outros executivos do grupo JBS firmaram acordo de delação premiada com a Procuradoria-Geral da República.

O ministro do Supremo também determinou a Aécio que não mantenha contato com outros alvos da Operação Patmos – o presidente da República Michel Temer e o deputado Rocha Loures (PMDB/PR) são investigados com base nas delações da JBS. Joesley também gravou diálogo com Temer na noite de 7 de março no Palácio do Jaburu.

Aécio tem agora 15 dias para se manifestar sobre recurso do procurador-geral da República Rodrigo Janot que insiste na decretação de sua prisão preventiva decorrente de flagrante por crime inafiançável.

No início da investigação, Janot requereu a prisão do senador, mas o ministro Fachin negou tal medida – apenas afastou Aécio do mandato. O procurador insurgiu-se contra decisão de Fachin e apresentou recurso sob alegação de que solto o tucano põe em risco a ordem pública.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.