Advogados dizem que País atravessa ‘mais nefasto caso de corrupção’

Em manifesto, Colégio dos Institutos dos Advogados defende investigação e punição dos alvos da Lava Jato

Redação

07 de março de 2015 | 16h29

Por Fausto Macedo e Julia Affonso

O Colégio de Presidentes dos Institutos dos Advogados do Brasil manifestou nesta sexta feira, 6, em Belo Horizonte (MG), “sua profunda preocupação com as consequências do mais nefasto caso de corrupção do país, que envergonha todo cidadão de bem e causa danos irreversíveis à economia, ao desenvolvimento e às instituições do Brasil”.

Dinheiro apreendido pela PF na Lava Jato: contagem só terminou neste sábado, 7 (PF)

Dinheiro apreendido pela PF na nona fase da Lava Jato: contagem só terminou dias depois. Foto: PF

No manifesto, intitulado “Em defesa do Brasil”, o Colégio sustenta que “a sociedade não tolera a corrupção, especialmente como instrumento de governo”.

“E o governo é um instrumento do Estado para servir ao povo, sendo inadmissível a inversão da ordem”, diz o documento subscrito pelo líder do Colégio de Presidentes dos Institutos dos Advogados do Brasil, José Horácio Halfeld Rezende Ribeiro.

“A investigação e a punição devem ser exemplares, sendo absurdas a interferência de um Poder no outro e a repetição de práticas ilícitas, razão pela qual, para proteção do nosso país e das instituições, exigimos o comportamento ético de todo agente de Estado e a publicação de todos os atos estatais, sobretudo as investigações em curso.”

Tudo o que sabemos sobre:

Corrupção