Advogado do caso Delcídio quer ‘sala especial’ na prisão

Advogado do caso Delcídio quer ‘sala especial’ na prisão

Defesa de Edson Ribeiro, preso acusado de prejudicar as investigações da Lava Jato, encaminhou petição ao ministro Teori Zavascki pedindo sua soltura ou que ele fique em uma sala do Estado Maior

Mateus Coutinho

09 de dezembro de 2015 | 10h19

RJ - PRISÃO EDSON RIBEIRO/PF - GERAL - Edson Ribeiro, advogado do ex-diretor da Petrobras Nestor Cerveró, preso na manhã desta sexta-feira (27) no Aeroporto Tom Jobim, Zona Norte do Rio de Janeiro (RJ), logo após chegar de um voo de Miami (EUA), chega à Superintendência da Polícia Federal, na Zona Portuária. Segundo a Procuradoria Geral da República, Ribeiro fez parte do esquema para tentar interferir nas investigações da Operação Lava Jato. 27/11/2015 - Foto: JOSE LUCENA/FUTURA PRESS/FUTURA PRESS/ESTADÃO CONTEÚDO

O advogado Edson Ribeiro ao ser preso no Rio. Foto: José Lucena/Estadão

A defesa do advogado Edson Ribeiro, preso no dia 27 de novembro e denunciado pela Procuradoria-Geral da República acusado de prejudicar as investigações da operação Lava Jato, solicitou ao Supremo Tribunal Federal a revogação de sua prisão preventiva alegando que ele não cometeu nenhum crime e que ele está em uma cela com mais de 30 pessoas “o que definitivamente não são características de local apropriado ao advogado”, afirmam os defensores de Ribeiro.

Pela lei, advogados presos devem ficar detidos nas chamadas sala de Estado Maior, estrutura existente em todas as dependências do comando das Forças Armadas (Exército, Marinha e Aeronáutica) ou da Polícia Militar e do Corpo de Bombeiros. Ao pedir a soltura de Ribeiro, os defensores alegam a falta de motivos para a manutenção da preventiva, como também argumentam que ele está em uma cela comum do complexo penitenciário de Gericinó e que não há estrutura nos presídios do Estado do Rio que possa ser considerada sala de Estado de Maior.

O processo contra Ribeiro corre sob sigilo na Corte e o pedido de soltura, protocolado na semana passada, ainda aguarda analise de Teori.

[veja_tambem]

Motivos. No pedido de treze páginas assinado pelos advogados Marcos Crissiuma e Paulo Neto e encaminhado ao ministro Teori Zavascki, relator da Lava Jato no Supremo, os defensores de Ribeiro alegam que os diálogos gravados entre ele, o senador Delcídio Amaral e seu chefe de gabinete Diogo Ferreira e Bernardo Cerveró, filho do ex-diretor da Petrobrás Nestor Cerveró, não revelam crimes cometidos pelo advogado, já que, segundo a petição, estava sendo planejada a fuga de Cerveró e não dele.

O documento afirma ainda que Ribeiro não poderia influenciar na delação de Cerveró, seu ex-cliente na Lava Jato, nunca participou dos depoimentos do ex-diretor ao Ministério Público Federal e que o acordo de delação premiada já foi firmado em 18 de novembro, antes de um dos encontros gravados, de 19 de novembro. Os defensores também negam que o advogado tivesse buscado influenciar ministros do Supremo.

Outro ponto levantado pelos advogados é de que Ribeiro teve sua inscrição na OAB suspensa e que ele se teria se entregado às autoridades brasileiras ao voltar de uma viagem dos EUA e ser detido no aeroporto do Galeão, no último dia 27. Antes disso, contudo, seu nome já havia sido colocado na lista vermelha da Interpol.

À reportagem, o advogado Marcos Crissiúma afirmou que ainda não teve acesso à denúncia contra seu cliente e que vai aguardar a decisão do STF sobre o pedido de soltura de Ribeiro para comentar o caso.

Tudo o que sabemos sobre:

Edson Ribeirooperação Lava JatoSTF

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.