Adicção de poder

Adicção de poder

Daniela Faertes*

23 de agosto de 2021 | 10h55

Daniela Faertes. FOTO: DIVULGAÇÃO

Status social, dinheiro, aparências, confortos. Até quanto uma pessoa se sujeitaria e sujeitaria os seus para manter o poder?

Já é comprovado que temos o potencial de tornar comportamentos do cotidiano adictivos, como compras, sexo, internet, ou seja, adições comportamentais que não necessitam de uma ingesta química externa para se instaurar o quadro.

Na clínica o fenômeno é visível. Nas separações ou na manutenção de relacionamentos, em negócios, fechar a empresa que abriu, para além do lado prático e factual da necessidade do dinheiro, o desespero de se perder o que é visível aos olhos dos outros é algo quase não aceitável, como se o poder já fizesse parte estrutural do eixo que qualifica aquela pessoa.

Na dança dos cargos na política é um fenômeno conhecido e comum, quando algo muda mesmo os mais bem intencionados, “param” o trabalho para “brigarem” através de conexões e contatos, almoços infinitos e estratégias, a fim de manter-se no poder. Não tirando a intenção de alguns que é de se manter para ajudar e trabalhar, por exemplo, para a maioria talvez a ideia de perder o cargo, ou o poder por si só, já ressoa como ruína, vergonha e humilhação.

A habituação ao poder e status que se vai adquirindo, transformando a ideia de desejos em necessidades, vira um formato de vida, para alguns, impensável de se voltar atrás. Aí está instaurado o perigo: a pessoa permitirá quase tudo para manter isso. Valores, crenças e limites anteriormente estipuladas passam a ser linhas distantes, pontilhadas e quase invisível aos olhos. Seria esse o caso do menino Henry e sua mãe?

O desejo de querer manter o que vem junto ao poder é genuíno e razoável. A questão é “a qualquer preço?”. Vaidade e conforto podem transitar no humano de forma saudável, adaptativa, boa, que não gere ou faça mal a ninguém, muito pelo contrário, podem ser alimentos de bem-estar que virem capital mental, onde todos saem beneficiados.

O desespero e a incapacidade da pessoa de se ver sem o poder “adquirido” é o que resulta na catástrofe de vale tudo. E aí, salve-se quem puder. Os mais frágeis, ao redor, são sempre os mais vulneráveis.

O poder é mau por natureza? Ou estaria mais comumente em mãos erradas?

O poder corrompe, já dizia Maquiavel. Será?

Vemos muitos exemplos dessa hipótese, desde escândalos presidenciais de altos gastos em ternos e luxo de pessoas de discurso humilde e populista, até a submissão de pessoas à situações que anos atrás nunca se viu passando. Outro fenômeno comum, e às vezes menos ativo, é a passividade de se ver e fingir que não está vendo, uma cegueira seletiva, altamente tóxica também.

Talvez, o poder corrompido seja tão megalomaníaco, que deixa de ser cuidadoso e logo se torna aparente. A ideia de se voltar a usar outros tecidos, morar em outras casas, ter limite no cartão de crédito, não ter certos status, seja quase aversiva, daí a preferência de se endividar, de se submeter, deixar que os outros sejam maltratados, ou se maltratar.

O poder acaba sendo uma combinação de status e sujeição de forma ambígua e, por vezes, quase incoerente, no trânsito de dois polos que a princípio não se conectam, mas que acabam criando essa interdependência.

O que sabemos como fato científico é que o ser humano, enquanto espécie, teria a tendência a colaboração e a comportamentos empáticos. Já o que acontece com essa mesma espécie humana, quando se absorve status e poder, não pode ser limitado a um modelo. Talvez a questão esteja mais nas raízes de características de quem o absorve, começando pelo casamento explosivo de associar o poder a certas características individuais, que vão desde questões de baixa autoestima, narcisismo, caráter, ou mesmo só maldade, como se diz nas redes, “nem tudo é transtorno mental, às vezes é falta de caráter mesmo”.

Na atual cultura de aparências, mostrar o que se tem ou que se é, para uma quantidade enorme de pessoas ao mesmo tempo, elevou esses reforçadores de vaidade a uma escala nunca antes vista. É a quase incapacidade de alguns de viver sem ele, tristemente visível nas pessoas que foram retiradas ou forçadas a sair dele, sem terem escolha, adentrando numa melancolia, um vazio, muitas vezes não tratável, quase numa vingança em que hora o que alimentava se torna agora o que quase te mata.

Deixando claro que adicção e escolha não caminham juntas. Adicção vem do latim, addictum, que significa escravo de afeição, remetendo a aprisionamento. No poder, mesmo que em algum recôndito, pouquíssimo visitado de alguns cérebros, há sempre a possibilidade de fazer diferente.

E, sim, existem pessoas que se conectam ao poder e status de formas saudáveis, organizadas e que se veem vivendo sem tal, por mais que não queiram. E aí esse possível monstro interno não faz parte, havendo uma auto regulação e possibilidade de trânsito, para que se possa sair quando houver algo que se discorde. O poder em essência não é o mal, aliás, é muitas vezes por onde possa existir cuidado, ajuda, regulação e tudo aquilo de bom do nosso lado humano, a conexão que cada um faz com ele é que pode desvirtuar o ser humano.

*Daniela Faertes, psicóloga especialista em terapia cognitiva e mudança de comportamentos prejudiciais. Atuou no Serviço de Psiquiatria da Santa Casa de Misericórdia do Rio de Janeiro e, como supervisora, coordenou o núcleo de tabagismo e criou o setor de amor patológico. Membro da American CognitiveTherapyAssociation e professora convidada da PUC-Rio de graduação e pós-graduação. Diretora do Espaço Ciclo no Rio Janeiro, palestrante e supervisora clínica

Tudo o que sabemos sobre:

Artigo

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.