‘Acabam com sonhos’, diz promotora sobre desvios na gestão de Lidiane, foragida

‘Acabam com sonhos’, diz promotora sobre desvios na gestão de Lidiane, foragida

Karina Chaves, promotora de Justiça no Maranhão, aponta 'fortes indícios' contra prefeita de Bom Jardim por desvios na educação que superam R$ 15 milhões; ela é procurada há cinco dias

Redação

25 de agosto de 2015 | 10h00

Foto: Reprodução

Foto: Reprodução

Por Julia Affonso e Fausto Macedo

A promotora Karina Freitas Chaves, à frente das investigações sobre desvios de recursos da educação de Bom Jardim, no Maranhão, afirmou que nenhum processo de licitação foi encontrado nos arquivos da Prefeitura da cidade. A sede do Executivo foi alvo de busca e apreensão na quinta-feira, 20. A prefeita Lidiane Rocha (PP-MA) é suspeita de fraudes em licitação e desvio de recursos de merenda escolar. Ela está foragida há cinco dias.

“Há fortes indícios de que mais de R$ 15 milhões foram desviados da educação de Bom Jardim no ano de 2014”, afirmou a promotora ao programa de rádio do Ministério Público do Maranhão, Estação MP. “Na hora que o poder Judiciário concede os mandados, a gente vai na casa da prefeita e na prefeitura. O que a gente queria ver? Se os documentos públicos estão dentro do local onde deveriam estar. Nenhuma licitação estava dentro da Prefeitura.”

OUÇA A ENTREVISTA DA PROMOTORA AO PROGRAMA ESTAÇÃO MP

Lidiane Rocha já é alvo de 3 ações por improbidade administrativa propostas pelo Ministério Público do Estado, em 2013 e 2014. Ela é acusada de irregularidades na educação municipal. Nos próximos dias, a Promotoria deverá ajuizar outra ação, que pedirá o afastamento de Lidiane Rocha do cargo. O verdadeiro nome da prefeita é Lidiane Leite da Silva. Na Justiça Eleitoral, ela é Lidiane Rocha.

“Na hora que desviam dinheiro público tiram não apenas o dinheiro do município, acabam com sonhos, acabam com esperança e isso não tem preço”, observa a promotora.

Vaidosa, 25 anos, Lidiane exibe nas redes sociais imagens de uma vida de alto padrão para uma cidade à beira da miséria, com um dos menores IDHs do Brasil. Carros de luxo, festas e preocupação com a beleza, o que inclui até cirurgia plástica, marcam o dia a dia da moça que, conforme seu registro na Justiça eleitoral, candidatou-se pela coligação ‘A esperança do povo’, com ensino fundamental completo e ocupação declarada ‘estudante, bolsista, estagiário e assemelhados.

Na quinta-feira, foram presos dois ex-secretários de Lidiane – Antônio Gomes da Silva (Agricultura) e Humberto Dantas dos Santos (Coordenação Política), o Beto Rocha, ex-namorado da prefeita.

“Essas prisões, sim, são uma vitória. Hoje, para nós, Ministério Público Estadual, uma das pessoas que a gente tem fortes indícios que era o mandante das operações está preso e que se chama Beto Rocha”, disse.

Bom Jardim fica a cerca de 275 quilômetros da capital São Luís. A cidade tem 40 mil habitantes.

De acordo com o delegado federal Ronildo da Silveira, responsável pelo caso, a suspeita que pesa contra Lidiane é que toda a licitação de merenda escolar tenha sido fraudada. O federal conta que as investigações começaram após agricultores afirmarem que recebiam dinheiro, mas não forneciam nenhum alimento para a escola. Chamou a atenção da PF, ainda, a vida que a prefeita ostentava em uma rede social.

“Muitas viagens, (Lidiane) colocava na internet que estava na hora de comprar um carro melhor, veículo de luxo, vivia em festa, fazendo cirurgia plástica”, relata o delegado.

Tendências: