A volta ao presencial no setor do trabalho

A volta ao presencial no setor do trabalho

Roberto Poli Rayel Filho*

17 de agosto de 2021 | 05h55

Roberto Poli Rayel Filho. FOTO: ARQUIVO PESSOAL

Com o avanço da vacinação no país, os trabalhadores estão retornando para as suas atividades presenciais, o que gera movimento no setor

Com o avanço da vacinação no país, os brasileiros estão ficando menos em casa, principalmente os trabalhadores. Com o retorno das atividades presenciais (em torno de 65% dos brasileiros já voltaram para o trabalho presencial) as empresas estão analisando as possibilidades de um sistema híbrido, totalmente presencial ou totalmente home office, o que gera opiniões divergentes.

As inovações tecnológicas implementadas nos últimos anos, não houve, neste período de pandemia, salvo em situações excepcionais ou segmentos específicos, comprometimento das atividades empresariais, inclusive nos escritórios de advocacia. Aliás, segundo ele, a necessidade de adaptação as novas circunstâncias, mediante uma aplicação mais intensiva de recursos tecnológicos, quebrou paradigmas em relação a atividades com conotação mais formal ou regrada, como aquelas destinadas a serviços jurídicos, e ainda resultou em ganho de eficiência e produtividade.

Entretanto, ele concorda que, com a eventual normalização proporcionada pelo ciclo de vacinação e queda das taxas de transmissão, se torna necessário que haja uma reavaliação que busque compatibilizar os aspectos positivos incorporados nos últimos meses com aqueles relacionados a preservação e valorização da saúde mental, sociabilidade e integração corporativa, essenciais para a sustentabilidade do ambiente de trabalho.

Para adotar e decidir o que for melhor para cada empresa e seus funcionários, é preciso analisar e pontuar a real necessidade de cada.

Trabalho presencial x home office

O trabalho home office, que era considerado um privilégio para poucos cargos e empresas, precisou ser implementado por uma boa parcela dos negócios, para passar pelo período restritivo da pandemia.

O trabalho em casa apresenta algumas vantagens e desvantagens quando comparado ao modelo presencial. Nesse caso, cabe a cada empresa avaliar qual deles mais se adequa ao seu modelo de negócio e que gera mais produtividade.

Apesar de a vacina já ser uma realidade, o futuro do trabalho ainda é incerto, mas não imprevisível. Segundo um recente estudo divulgado pelo UOL, a tendência é que a adoção do trabalho remoto cresça 30% no Brasil após a pandemia. O grande benefício deste modelo é que os colaboradores possuem a flexibilidade de escolher entre realizar suas atividades em casa ou na empresa.

Como sair do home office para a volta ao trabalho presencial

Já para as empresas que pretendem retornar completamente ao presencial, os cuidados e orientações dos órgãos competentes são o ponto-chave para este retorno. A Organização Mundial da Saúde (OMS) lançou, em março de 2020, um guia para funcionários e empregadores, com dicas para evitar o contágio no ambiente de trabalho.

Veja os pontos principais:

  1. Certificar de que o local de trabalho será desinfetado regularmente, e disponibilizar máscaras e álcool em gel para os colaboradores;
  2. Manter uma comunicação ativa e consistente com a equipe para alinhar objetivos e expectativas;
  3. Garantir o distanciamento entre os postos de trabalho para evitar o contato entre os colaboradores;
  4. Manter, em casa, os colaboradores que apresentarem sintomas, mesmo que não haja confirmação do diagnóstico.

*Roberto Poli Rayel Filho, advogado graduado pela Faculdade de Direito de Bauru. Pós-Graduado em Direito Processual Civil pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo – COGEAE. Membro da Associação dos Advogados do Estado de São Paulo. Árbitro do Centro de Arbitragem e Mediação da Câmara de Comércio e Indústria Brasil China (Associada a Câmara Arbitral de Shangai)

Tudo o que sabemos sobre:

Artigo

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.