A vacina que todos os brasileiros exigem

A vacina que todos os brasileiros exigem

Luiz Paulo Ferreira Pinto Fazzio*

26 de outubro de 2020 | 05h15

Luiz Paulo Ferreira Pinto Fazzio. FOTO: DIVULGAÇÃO

A vacina que todos os brasileiros exigem há décadas para ser aplicada nos administradores públicos, da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios, é a que os imunizará do cometimento de crimes, sobretudo os relacionados a desvios de recursos para saúde, fraude em licitações, superfaturamento de respiradores, durante uma pandemia.

Não serão partidos/países/empresas chinesas, inglesas, russas, americanas, que desenvolverão essa vacina. Essa vacina vem sendo desenvolvida pela sociedade juntamente com as Polícias Civis e Federal, Ministérios Públicos dos Estado e Federal, Tribunais de Contas dos Municípios, Estados e da União, Corregedorias, Poder Judiciário.

São essas instituições que enfrentam a pandemia da corrupção, organizações criminosas muitas vezes chefiadas por administradores públicos incapazes de praticar obediência a legalidade, a impessoalidade, a moralidade, a publicidade e a eficiência, princípios constitucionais destinados à administração pública, que quando não obedecidos lesam direitos de todos os brasileiros.

Somos mais de 212 milhões de brasileiros. Mais de 5 milhões e 300 mil brasileiros foram infectados, mais de 4 milhões 817 mil recuperados e mais de 156 mil brasileiros perderam a vida em razão do COVID-19. Por enquanto, 11 estados brasileiros estão sendo investigados pela Polícia Federal por suspeitas de crimes relacionados a recursos destinados ao enfrentamento da COVID-19.

Assim como houve prática de crimes em operações envolvendo respiradores, máscaras de proteção, é possível que administradores públicos cometam crimes em processo de compra de vacina desenvolvida por países/empresas estrangeiras. A vacina que nós, o povo, dispomos, é a atuação dos bons profissionais que integram as instituições mencionadas.

*Luiz Paulo Ferreira Pinto Fazzio, advogado

Tudo o que sabemos sobre:

Artigo

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.