A telemedicina e o futuro da saúde em tempos de covid

A telemedicina e o futuro da saúde em tempos de covid

Carlos Lopes*

04 de maio de 2021 | 10h40

Carlos Lopes. FOTO: DIVULGAÇÃO

Que toda grande crise traz oportunidades é um fato inquestionável. Nas grandes crises mundiais ocorridas após a gripe espanhola de 1918 (crise de 29, Segunda Guerra Mundial, ataques terroristas de 11 de setembro, bolha imobiliária de 2008 e agora o COVID 19 – SARS-COV2) o aprendizado decorrente da crise trouxe mudanças significativas na nossa vida. Mas talvez a crise de saúde atual traga mudanças . sem precedentes na educação, no trabalho e principalmente na saúde.

Para exemplificar como a crise de saúde catapultou a velocidade da adesão de teleatendimento em saúde, o Conselho Federal de Medicina (CFM) levou praticamente 16 anos (de 2002 até 2018) para regulamentou a telemedicina durou apenas dois meses de dezembro de 2018 a fevereiro de 2019.

Trazendo para 2020 podemos dizer que na área médica, o CFM levou 18 anos discutindo telemedicina sem chegar a uma regulamentação – e tudo isso foi atropelado em 40 dias pelo COVID 19: em pouco mais de um mês, duas portarias do Ministério da Saúde e posteriormente uma Lei (a 13.989 de abril de 2020) tornou e regumentou a telessaúde (não só para medicina mas para todos os profissionais de saúde, como nutricionistas, psicólogos entre outros) enquanto perdurar a crise de saúde no Brasil.

Essa urgência e velocidade em viabilizar a telessaúde gerou uma corrida para uso de ferramentas de comunicação online para atender os pacientes, tirar dúvidas, identificar risco de sintomas de COVID 19 – a corrida se estendeu também no segmento de certificação digital uma vez que se tornou necessário assinar digitalmente documentos na parte de saúde (como atestados, pedidos de exames e receitas médicas de forma que tivessem validade jurídica.

Não há dúvidas que a telessaúde chegou de urgência e veio para ficar. Nos EUA antes do COVID apenas de 11% da população já havia feito algum tipo de atendimento em saúde a distância (apesar de lá ao contrário daqui a telessaúde já estar regulamentada há bem mais tempo) tendo pulado para mais de 46% no início da pandemia. Estima-se que lá o COVID 19 levou o serviço de telessaúde a um negócio com projeção de 3 bilhões de dólares por ano.

Por aqui, no Brasil, claramente podemos ver que a telessaúde pode melhorar a abrangência do atendimento no SUS, chegar a populações nesse país continental que ainda não tem atendimento básico de saúde… adequado. Nas grandes cidades, com trânsito sempre caótico, imaginar que você não precisa mais perder uma manhã ou tarde de trabalho para ir na consulta médica, levar o resultado dos seus exames isso é definitivamente uma enorme vantagem – tanto para pacientes, como para médicos, podendo aumentar a quantidade de indivíduos que possa atender.

Esse futuro da saúde, acelerado pelo COVID 19, ainda pode trazer muito mais e rápido: sistemas de inteligência artificial que podem fazer triagem de pacientes, identificar interações de medicamentos t… trazendo mais segurança no uso de medicamentos, gadgets que permitem monitorar seus sinais vitais, que permitam realizar em casa exames laboratoriais, de urina e até mesmo um eletrocardiograma no celu… que envie direto para seu cardiologista.

O novo normal está aí. E a nova saúde também.

*Carlos Lopes é médico, pós-graduado em nutrologia, CEO e fundador da MEDX Tecnologia, extensão pela Harvard Medical School em Obesidade e Social Media for HealthCare. Cursando desde 2019 o programa de Executive Management pelo MIT. É professor convidado da pós-graduação de nutrologia do Hospital Israelita Albert Einstein e da Associação Brasileira de Nutrologia/BWS

Tudo o que sabemos sobre:

Artigotelemedicina

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.