A tecnologia e a viabilidade da Educação na pandemia de covid-19

A tecnologia e a viabilidade da Educação na pandemia de covid-19

Hélio Bruck Rotenberg*

26 de novembro de 2020 | 05h30

Hélio Bruck Rotenberg. FOTO: DIVULGAÇÃO

A Educação é um direito universal por justamente fundamentar o desenvolvimento humano, social e econômico. A pandemia de covid-19 acarretou uma disrupção no ato de ensinar e aprender. Inevitavelmente, desencadeou reflexões sobre o paradigma do ensino presencial. Ao mesmo tempo em que estudar a distância propicia uma série de benefícios, também expõe aspectos insubstituíveis do estar em sala de aula.

Mais de 1,5 bilhão de alunos no mundo se distanciaram e tornaram suas casas um reduto escolar. A experiência provocou mudanças consideráveis em comportamentos individuais e coletivos assim como em processos pedagógicos. O ensino remoto destes tempos pandêmicos aproximou família e escola, mas por outro lado aumentou a evasão, realçou desigualdades sociais e as barreiras de acessibilidade digital. Intensificou a reflexão sobre as novas maneiras de ensinar à medida que evidenciou disparidades estruturais entre os sistemas públicos e privados. Expôs a urgência da equidade na educação ao passo em que confirmou a essencialidade do professor no processo de aprendizagem. A educação à distância nesta fase de covid-19 estimulou a autonomia do estudante, mas minimizou os benefícios da proximidade humana.

A crise decorrente do novo coronavírus produzirá efeitos perenes sobre a forma de ensinar e aprender. A experiência adquirida nesta fase traz oportunidade sem precedentes para inovar metodologias e avançar o modo com que promovemos o saber. A conjuntura aponta para adoção mais ampla do modelo híbrido de educação. O principal diferencial dessa prática pedagógica está exatamente no contraponto dos benefícios das aulas presenciais e remotas. Além de otimizar tempo e recursos, encoraja o pensamento crítico, a capacidade de solucionar problemas e o protagonismo do aluno no processo de aprendizado.

As tecnologias educacionais, além de possibilitarem a continuidade das atividades letivas em situações emergenciais, personalizam o aprendizado, melhoram a retenção de informações e aumentam o engajamento. Dinamizam a rotina de alunos e professores da mesma forma em que estimulam o senso de colaboração, criatividade e alfabetização digital. Tornam escolas em centros de inovação.

Dispositivos móveis, principalmente notebooks e tablets, assim como plataformas de comunicação, softwares de aprendizagem e recursos como mesas pedagógicas, blocos de montar, placas para programação e tecnologias vestíveis impulsionam a capacidade cognitiva e socioemocional, sobretudo no modelo híbrido. Incentiva os alunos a serem mais investigativos e a construírem a compreensão por meio da experimentação e recursos lúdicos.

As tecnologias educacionais viabilizaram o ensino durante a pandemia de covid-19. Soluções em hardware e software asseguraram a continuidade do ano letivo diante da  necessidade de medidas restritivas em prol da saúde pública.  A situação posicionou a tecnologia como viabilizadora e catalisadora do sistema educacional. A realidade aponta para a importância de ampliar e intensificar o uso dessas ferramentas. Por essa razão, é legítimo o anseio para melhorar a infraestrutura digital e estimular a equidade. Valorizar professores e aprofundar a familiaridade dos estudantes com atividades on-line. O alcance de todo esse potencial, certamente constrói um sistema educacional mais inclusivo, resiliente e qualificado, dentro ou fora da sala de aula.

Os desafios impostos neste período e a experiência adquirida com a prática massiva do ensino remoto seguramente levarão a tecnologia ao próximo nível de usabilidade e inovação. O futuro das tecnologias educacionais é promissor. Sinaliza abordagens pedagógicas humanistas com foco na acessibilidade, personalização e eficiência. Neste sentido, a aprendizagem imersiva por meio de realidade aumentada e virtual é uma das grandes tendências em tecnologias educacionais.  Da mesma forma, inteligência artificial, internet das coisas, aprendizado de máquina e jogos educativos despontam entre os recursos que podem gerar novas transformações no setor. Gradativamente, veremos os benefícios mútuos da simbiótica relação entre tecnologia e educação e testemunharemos um ensino cada vez mais apto para desenvolver virtudes, gerar prosperidade e solucionar desafios complexos.

*Hélio Bruck Rotenberg é presidente da Positivo Tecnologia

Tudo o que sabemos sobre:

Artigo

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.