A sonhada independência financeira

A sonhada independência financeira

Ricardo Hiraki*

25 de abril de 2021 | 04h30

Ricardo Hiraki. FOTO: DIVULGAÇÃO

Um sonho muito comum que vemos entre os brasileiros é poder viver de renda. Quer dizer, juntar dinheiro o suficiente para saber que consegue se manter, com relativa qualidade de vida, sem precisar trabalhar. Mas de preferência, enquanto ainda tem energia para desfrutar de passeios e trabalhar em algo que a faça totalmente feliz e com liberdade.

A famosa independência financeira ganha cada vez mais notoriedade em nossas vidas, especialmente nos momentos em que parte das pessoas estão exaustas de trabalhar. Então, vamos lá:

Qual valor?

O montante que precisará atingir varia de pessoa para pessoa, já que tem relação direta com o custo ou estilo de vida de cada um espera ter no futuro. Ainda também é preciso considerar se terá outras fontes de renda no futuro como aluguel, aposentadoria do INSS etc.

Também é preciso entender que sobre o montante total que tiver, não se pode retirar todos os ganhos mensais. Parte dos rendimentos precisarão ficar para recompor a inflação.

De modo bastante simples e objetivo, uma conta que podemos usar para tornar esse assunto mais fácil é considerar 0,5% sobre o valor aplicado disponível para ser usado. Isso significa que hoje, quem tem um montante de 1 milhão de reais aplicado em uma carteira de médio risco, poderia retirar R$5 mil (0,5%) ao mês, ainda assim o montante que ficaria continua subindo acima da inflação.

Onde aplicar?

Diversifique e tenha visão de longo prazo. Ter o objetivo da liberdade financeira costuma ser algo para muitos anos, então, o tempo irá ajudar e muito suas aplicações, mas não se pode correr risco aplicando em poucos locais. Montar uma carteira diversificada, inclusive, além de aplicações financeiras é um caminho importantíssimo.

Se é um otimista com o Brasil, aposte um peso maior na renda variável, é onde precisamos nos desenvolver mais nos próximos anos.

Sem ansiedade

Esse é um objetivo de muitos anos, então é preciso ter bastante controle emocional e disciplina. Sem dúvidas, irão surgir muitas oportunidades e tentações ao longo do tempo.

Por isso, não adianta ficar olhando diariamente se a rentabilidade está indo bem, e pense muito bem antes de consumir o dinheiro em algo que não seja realmente importante para você.

Dica matadora: quer encurtar o tempo pela metade?

Repense seu estilo de vida, sei que pensamos muito em planejar e salvar, ganhar nas aplicações e o quanto queremos ter. Mas mudar o estilo de vida e a demanda total que precisa ter é um caminho que pode facilitar o quanto precisará.

Lembra que em algum momento do passado é provável que já tenha vivido com muitos menos? Pense se é possível mudar seus hábitos e o que é prioridade para você, assim tem a chance de fazer o orçamento ser metade do que é hoje e aproveitar muitos mais anos de liberdade financeira.

E após chegar lá?

Muitas pessoas quando pensam lá no futuro esquecem que não irão ficar de pernas pro ar sem fazer nada. Após atingir o sonhado objetivo é normal nos dedicarmos em assuntos que gostamos profundamente e por muitas vezes eles podem nos trazer receitas. O que quero dizer, é que vejo muitas pessoas atingirem a liberdade financeira e depois passarem a ter uma atividade que gera muitos mais ganhos, simplesmente porque ela faz com muito mais desejo.

Sucesso a todos!

*Ricardo Hiraki é sócio-fundador e atua como CEO e CFO da Plano Consultoria

Tudo o que sabemos sobre:

Artigo

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.