A romaria da propina

A romaria da propina

Vídeo revelado pelo delator Silval Barbosa, ex-governador de Mato Grosso, mostra a intensa movimentação de políticos que pegaram dinheiro vivo em uma sala do Palácio Paiaguás em troca de apoio ao governo do peemedebista

Fábio Serapião, Rafael Moraes Moura, Breno Pires, Beatriz Bulla e Luiz Vassallo

30 Agosto 2017 | 17h31

Foto: Reprodução

O ex-governador de Mato Grosso, Silval Barbosa, revelou vídeos em que políticos da região faziam filas para pegar dinheiro vivo em encontros reservados, no Palácio Paiaguás, sede do governo estadual. O ex-governador alega que  as gravações foram feitas pelo então chefe de gabinete Silvio Cesar.

As revelações do ex-governador foram classificadas de ‘monstruosa delação’ pelo ministro Luiz Fux, do Supremo Tribunal Federal, que na sexta-feira, 25, autorizou abertura de inquérito contra um grupo de políticos de Mato Grosso, entre eles Blairo Maggi, a quem a Procuradoria atribui o papel de ‘liderança’ de organização criminosa que se instalou na administração pública estadual.

Entre os políticos flagrados nas imagens estão o prefeito de Cuiabá, Emanuel Pinheiro (PMDB), que chegou a colocar tantas notas em seus bolsos que parte delas caiu no chão. O vídeo mostra Emanuel agachando-se para juntar as cédulas espalhadas.

O deputado federal Ezequiel Fonseca (PP) aparece nas imagens às quais a Rede Globo teve acesso recebendo o dinheiro em uma caixa de papelão.

O então deputado estadual Hermínio Barreto (PR) é flagrado com os maços em uma mala.

A atual prefeita de Juara (MT), Luciane Bezerra (PSB) também pode ser identificada no vídeo levando o dinheiro na bolsa.

O ex-deputado estadual Alexandre César (PT) aparece levando notas em uma mochila.

O deputado estadual Aírton Mondina Luiz, conhecido como Airton Português, recebe ajuda de sua irmã, Vanice Marques, para embolsar o dinheiro.

 

 

Mais conteúdo sobre:

Silval Barbosadelação premiada