A pedido de Cunha, Odebrecht pagou R$ 2 milhões a ex-ministro de Temer

A pedido de Cunha, Odebrecht pagou R$ 2 milhões a ex-ministro de Temer

Henrique Eduardo Alves, segundo delatores da empreiteira, recebeu propina na campanha para o governo do Rio Grande do Norte em 2014 em troca de beneficiar o grupo em obras de saneamento no Estado.

Fábio Serapião, Breno Pires, Vitor Tavares

12 de abril de 2017 | 15h04

Henrique Eduardo Alves. Foto: Dida Sampaio/Estadão

Henrique Eduardo Alves. Foto: Dida Sampaio/Estadão

Ex-ministro do Turismo nos governos Dilma Rousseff e Michel Temer, Henrique Eduardo Alves (PMDB) teria recebido R$ 2 milhões em propinas da Odebrecht em 2014, na campanha para o governo do Rio Grande do Norte. Segundo delatores da Odebrecht, os pagamentos foram solicitados pelo então deputado Eduardo Cunha (PMDB), ex-presidente da Câmara preso em Curitiba na Operação Lava Jato.

Documento

De acordo com as delações dos executivos Fernando Luiz Ayres da Cunha Santos Reis e Alexandre José Lopes Barradas, os pagamentos funcionariam como ‘contrapartida’ a interesses do grupo empresarial no Rio Grande do Norte, na área de saneamento básico, espaço em que o grupo almejava atuar como concessionária.

Como Henrique Eduardo Alves não tem mais prerrogativa de foro, o conteúdo da delação será enviado à Procuradoria da República no Rio Grande do Norte.

O ex-minitro já é réu em uma ação que investiga irregularidades na Caixa. Ele é acusado de cobrar propina de empresas para liberar investimentos do FGTS. Também foi citado na delação premiada do ex-presidente da Transpetro Sérgio Machado que denunciou R$ 1,55 milhão em ‘doações eleitorais’ a Henrique Alves, dinheiro oriundo de propina na Lava Jato. Em meio às denúncias envolvendo seu nome, o político potiguar pediu demissão do governo Temer.

Em 2014, Henrique Alves perdeu a eleição do Rio Grande do Norte no segundo turno para Robinson Faria (PSD), também alvo de inquérito.

publicidade

publicidade

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.