Leia a decisão de Moro por buscas na casa de Beto Richa e prisão de seu braço direito

Leia a decisão de Moro por buscas na casa de Beto Richa e prisão de seu braço direito

Operação Piloto, nova fase da Lava Jato, mira corrupção em contrato da Odebrecht para a rodovia PR-323, no interior do Paraná; ex-governador e candidato ao Senado pelo PSDB foi preso em outra operação, Patrulha Rural, do Ministério Público Estadual, nesta terça, 11; seu ex-chefe de gabinete, Deonilson Roldo, também foi preso

Ricardo Brandt, Fausto Macedo, Julia Affonso e Katna Baran

11 Setembro 2018 | 10h19

Beto Richa. Foto: Estadão

O juiz federal Sérgio Moro afirmou existirem provas que justifiquem as buscas da Operação Piloto, fase 53 da Lava Jato, na residência do ex-governador do Paraná Beto Richa (PSDB), candidato ao Senado pelo partido nas eleições deste ano, e de seu irmão José Carlos Richa, o Pepe Richa.

Beto Richa, sua mulher Fernanda Richa, e o irmão foram presos nesta terça-feira, 11, alvos de outra operação, Patrulha Rural, deflagrada pelo Ministério Público Estadual do Paraná.

Moro decretou a prisão de Deonílson Roldo, ex-chefe de gabinete de Richa no governo do Paraná, e Jorge Atherino, empresário acusado de ser um dos operadores do recebimento de propinas do ex-governador. Os dois também foram detidos nesta terça-feira, 11, pela Operação Piloto da Lava Jato.

Documento

Segundo Moro, o ‘quadro probatório’ apontado pela Polícia Federal e Ministério Público Federal ‘é mais do que suficiente para caracterizar causa provável a justificar a realização de busca e apreensão nos endereços dos investigados’.

“Oportuno lembrar que, para busca e apreensão, medida investigatória, não se exige prova cabal do envolvimento em crimes, nem é necessário o mesmo nível de prova do que o exigido para uma prisão cautelar”, anotou o juiz.

“Faço essa ressalva especialmente em relação às buscas atinentes a parte dos investigados, como o ex-governador do Estado Carlos Alberto Richa, em campanha eleitoral para o Senado. Há provas que justificam as buscas, pois ele é apontado como beneficiário dos valores provenientes dos crimes e de um esquema de lavagem de dinheiro. Ressalve-se, porém, que ainda se trata de uma fase de investigação, a busca nela se inserindo, e que, portanto, não é possível no presente momento qualquer afirmação conclusiva quanto à responsabilidade dele.”

COM A PALAVRA, BETO RICHA

A defesa do ex-governador Beto Richa até agora não sabe qual a razão das ordens judiciais proferidas. A defesa do ainda não teve acesso à investigação.

COM A PALAVRA, O GOVERNO DO PARANÁ

Governo do Estado está colaborando com todas as investigações em curso.

A governadora Cida Borghetti ressalta que não aceita nenhum tipo de desvio de conduta dos seus funcionários e que criou a Divisão de Combate à Corrupção para reforçar o combate à esse tipo de crime. Hoje a divisão esta fazendo buscas e apreensão em uma operação que combate fraudes a licitação

O Governo do Estado vai aguardar a divulgação de mais informações a respeito dessa fase da Operação Lava Jato para tomar outras providências.

 

COM A PALAVRA, JORGE THEODOCIO ATHERINO

A reportagem está tentando contato com a defesa do empresário Jorge Theodocio Atherino. O espaço está aberto para manifestação.

COM A PALAVRA, EZEQUIAS MOREIRA RODRIGUES

A reportagem está tentando contato com a defesa de Ezequias Moreira Rodrigues. O espaço está aberto para manifestação.