A máquina de madeira e o cordão de nióbio

A máquina de madeira e o cordão de nióbio

Tertuliano*

30 de junho de 2019 | 06h00

Tertuliano. FOTO: DIVULGAÇÃO

Creio eu que poucos jovens hoje saberiam dizer o que é ou era uma máquina de datilografia, um equipamento enormemente utilizado antes da chegada dos computadores em nosso meio.

Poucos sabem, inclusive os mais vividos, que tal apetrecho fora inventado por um brasileiro, nascido na Parahyba em 1814.

Com apenas um canivete e uma lixa ele criou a máquina de madeira, feita em jacarandá.

Este equipamento foi considerado revolucionário para o século 19, onde discursos, sermões, sentenças, cartas puderam ser escritos com uma agilidade até então desconhecida por qualquer mortal; essa invenção foi um avanço para as ciências nacionais.

Antes mesmo de a norte-americana Remington lançar seu primeiro modelo, um padre e maçon paraibano chamado Francisco João de Azevedo, que hoje dá o seu nome a uma das ruas da capital da Paraíba, havia descoberto como mecanizar a escrita, sonho de muitos inventores mundo afora.

Inicialmente denominada de máquina taquigráfica, foi apresentada pela primeira vez na sala de Exposição Universal dos Produtos Naturais e Industriais das províncias de Pernambuco, Alagoas, Paraíba, Rio Grande do Norte e Ceará em novembro do ano de 1861, no Recife.

Naquele mesmo ano acontecia na então capital do País, Rio de Janeiro, na Escola Central, no bairro da Glória, uma exposição nacional, que seria visitada pelo imperador D. Pedro, onde aportou em oito de dezembro o Padre Azevedo, com a sua nova invenção, que o fez ganhar uma medalha de ouro das mãos do próprio monarca.

No ano seguinte o invento foi enviado para Londres para a Exposição Universal.

Segundo o escritor Ataliba Nogueira, o artefato foi roubado por um agente de negócios americano cujos desenhos foram repassados a um tipógrafo, também norte-americano, chamado Christopher Lathan Sholes, que o aperfeiçoou, patenteou e tornou-se reconhecido como o inventor da máquina de datilografia.

Esta semana o presidente Jair Bolsonaro, em uma live no Japão pelo Facebook, expôs para o mundo um cordão de nióbio, destacando as suas utilidades e orgulhando-se de ser o elemento, existente em grande quantidade apenas aqui no nosso país, o que irá, com certeza, despertar ainda mais a cobiça de outras nações pelo precioso metal.

Portanto, é preciso ter cuidado para que não aconteça com o “nosso” nióbio o mesmo que aconteceu com o invento do padre João Azevedo.

*Tertuliano, cronista

Tudo o que sabemos sobre:

ArtigoJair Bolsonaronióbio

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.