A liderança contemporânea demanda persistência

A liderança contemporânea demanda persistência

*Bruno Pedro Bom e César Souza

07 de julho de 2021 | 13h35

A essência do líder ultrapassa a imposição. O líder contemporâneo, diante das disruptivas mudanças sociais, precisa tornar a inovação parte intrínseca do processo, desbravar novos caminhos e conscientizar seus liderados a adotarem posturas convergentes às diretrizes da nova realidade empresarial digitalizada. O papel da persistência se faz fundamental na inteligência de análise dos novos tempos e, principalmente, na rápida tomada de decisões em caminhos mais exitosos.

Bruno Pedro Bom e César Souza. Foto: Divulgação.

⁠Entendamos como adaptabilidade a resposta positiva ao dinamismo das mudanças, sem abandonar de valores e princípios. Ser adaptável é estar em movimento e compreender as transformações contínuas no mundo, preparando-se para novas circunstâncias.

O sucesso do líder na advocacia está associado à persistência e não à insistência. Em primeira instância, precisamos compreender e distinguir os conceitos entre insistência e persistência.
A palavra insistência tem origem do latim “insistere”: “manter a atitude”, de IN-, aqui com o significado de “sobre”, mais “sistere”. Insistir implica em repetir uma atitude, o outro verbo se refere a mantê-la ininterruptamente. Insistir é realizar a mesma tarefa, sempre de maneira igual, ou seja, são mantidas as metodologias para solucionar os problemas, não criando alternativas e ignorando a inovação.

Persistir, também de origem do Latim “persistere”: “continuar com firmeza”, de per-, “totalmente”, mais “sistere”, “ficar firme, ficar em pé”. Persistir é realizar a mesma tarefa, porém de formas diferentes, buscando criar alternativas aliadas à inovação. A tendência é encontrar respostas aos problemas de forma criativa e exitosa. Trata-se de perceber soluções onde ninguém conseguiu ver. Somente por intermédio da persistência somos capazes de inovar, criar alternativas e alcançarmos o êxito.

É preciso compreender que a sociedade e a comunicação global mudaram. Notam-se profundas alterações no modo como nos relacionamos com outras pessoas, resolvemos problemas, trabalhamos e, até mesmo, aprendemos. Estamos vivenciando a revolução digital e quem não se adaptar será um espécime profissional a caminho da extinção.

O modo como se opera o Direito também mudou e o mercado exige um novo perfil de profissional jurídico, atribuído de funções inéditas, em meio a tantas transformações impulsionadas pelo desenvolvimento de novos negócios, tecnologias e formatos de consumo de informação provenientes da digitalização coercitiva na era pandêmica.

Não entender a nova conjuntura e insistir no erro levará a obsolescência. Os líderes contemporâneos precisam adotar caminhos na persistência diante ao erro, abraçando a inovação como componente indissociável e assumindo novas posturas que reverberarão em melhores resultados.

Com base em características comuns entre grandes líderes, elencamos as fundamentais na construção da liderança contemporânea associada à persistência:

Pensamento crítico: avaliar efeito e consequência das decisões e questionar paradigmas, de modo a facilitar e melhorar o trabalho de suas equipes e resultados. É componente intrínseco que direciona o líder no caminho da inovação, em sua tomada de decisão e de sua equipe.

Resiliência: competência fundamental da inteligência emocional, determinada pela capacidade dos líderes em relação a sua resistência e adaptabilidade frente às crises e mudanças.
Saber delegar: vai muito além de dar autonomia nos processos de trabalho, permitindo à equipe pensar em novas formas de fazer, melhorando a experiência na geração de valor. Segundo Jack Welch: “antes de você se tornar um líder, o sucesso é crescer. Quando você se torna um líder, o sucesso tem a ver com o crescimento dos outros.” Saber delegar não é sobre a posição ocupada, mas sobre o quanto você pode influenciar e desenvolver pessoas.

Humildade intelectual: com a velocidade assustadora das inovações, as práticas do mercado estão se renovando cada vez mais rápido. É imprescindível acompanhar as mudanças na sua área de atuação para se manter competitivo. Não importa o tempo de estrada, sempre haverá o que aprender. É preciso ter humildade para reconhecer os erros ou caminhos equivocados. E quanto antes perceber isso, menor será o prejuízo e mais acelerada a mudança de estratégia.

Mindset fiGital: o avanço da tecnologia e o atual ecossistema de transformações constantes contribuíram para um novo momento. Estabelecer a melhor combinação entre o lado humano e a tecnologia é essencial para o líder. Para isso, saber conciliar competências humanas ao mindset digital fará a verdadeira diferença para organizações mais rápidas, inovadoras e bem-sucedidas. Todo esse movimento deve ser articulado considerando uma “Cultura FiGital”, ou seja, presencial e digital ao mesmo tempo. Essa mentalidade deve ser criada num processo de transformação digital que vai muito além do simples uso do ferramental tecnológico moderno.

Assumir riscos: Os líderes precisam ter a mente aberta o suficiente para abraçar novos conceitos. Isso envolve capacidade para assumir riscos e sair da zona de conforto em prol de soluções que atinjam as metas e resultados desejáveis. Assumir riscos pode ser algo simples, mas não simplista. Exige grande preparo mental e emocional, além da capacidade de lidar com as próprias fraquezas e limitações. Os riscos são parte indissociável no sucesso. Segundo Peter Drucker: “existe o risco que você não pode jamais correr, e o risco que você não pode deixar de correr.”

Estratégia: orientação para resultados e preparação inegociável para o futuro. Segundo Churchill: “por mais bela que seja a estratégia, você deve analisar esporadicamente os resultados.” Estratégia e execução precisam andar de mãos dadas, par e passo, por meio de contínuo monitoramento de progressos e obstáculos, em conjunto com um processo intenso e proativo de ajustes.
Por fim, um líder contemporâneo precisa se reinventar sempre. Mas, para que a reinvenção aconteça, a inovação precisa estar presente não só no discurso, mas também em suas atitudes diárias.

*Bruno Pedro Bom, advogado e publicitário, fundador da BBDE Marketing Jurídico, Diretor de Marketing do IBDP. Autor da obra Marketing Jurídico na Prática publicado pela editora Revista dos Tribunais

*César Souza é presidente do Grupo Empreenda, consultor, palestrante e autor de “Você é do Tamanho dos Seus Sonhos” e “Seja o Líder que o Momento Exige” (ambos Best Business). Também é coautor do recém-lançado “Descubra o craque que há em você” (Buzz, 2020)

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.