À Justiça, delator relata encontro entre Toyo, UTC e Odebrecht para discutir propina

Júlio Camargo afirmou que ele, o empreiteiro Ricardo Pessoa, da UTC, e o executivo Márcio Faria, da Odebrecht, reuniram-se com Renato Duque para acertar repasse nas obras do Comperj

Redação

31 de agosto de 2015 | 22h05

Por Ricardo Brandt, enviado especial a Curitiba, Mateus Coutinho e Fausto Macedo

Julio Camargo. Foto: Reprodução

Julio Camargo. Foto: Reprodução

O lobista Júlio Camargo, delator da Operação Lava Jato que denunciou ter sido pressionado pelo deputado Eduardo Cunha (PMDB/RJ) por uma propina de US$ 5 milhões, em 2011, afirmou à Justiça Federal nesta segunda-feira, 31, que se reuniu com o então diretor de Serviços da Petrobrás, Renato Duque, e também com o empreiteiro Ricardo Pessoa, da UTC Engenharia, e com o executivo Márcio Faria, da Odebrecht, para acertar propina relativa a obras no Complexo Petroquímico do Rio de Janeiro (Comperj). O valor combinado, segundo ele, foi de 1% sobre o contrato.

VEJA O DEPOIMENTO DE JÚLIO CAMARGO AO JUIZ SÉRGIO MORO (A partir de 12min30seg ele cita a reunião para discutir propina)

Júlio Camargo depôs como testemunha de acusação no processo em que são acusados o presidente da maior empreiteira do País, Marcelo Bahia Odebrecht, e outros executivos ligados ao grupo. Odebrecht foi preso preventivamente em 19 de junho na Operação Erga Omnes, desdobramento da Lava Jato.

+ PF deve indiciar Dirceu por lavagem e corrupção

+ Para pegar ‘o grande chefe’, a delação é o caminho possível, diz Moro

O lobista e delator disse que as reuniões para ajustar a propina ocorreram a partir de 2005 na sala de Duque na sede da Petrobrás. Ele representava no consórcio contratado diretamente (sem licitação) pela estatal petrolífera a multinacional Toyo Engenering Japão. Também integravam o grupo a Odebrecht e a UTC Engenharia. “Tivemos várias reuniões”, afirmou o delator.

Indagado se nessas reuniões é que foi pactuado o pagamento de propinas, Júlio Camargo afirmou. “Sim, foi conversado basicamente na área de Engenharia. Nós três, eu, o dr. Ricardo Pessoa e o dr. Márcio Farias, acertamos o pagamento de uma contribuição de um por cento em propinas.”

O SEGUNDO TRECHO DO DEPOIMENTO DE JÚLIO CAMARGO:

Ele disse que os contratos com a Petrobrás seguiam ‘uma regra do jogo’, tanto na área de Serviços, dirigida por Renato Duque, como na área de Abastecimento, sob presidência de Paulo Roberto Costa.

“Havia o pagamento de um por cento para cada área, Diretoria de Serviços e Diretoria de Abastecimento. Na Diretoria de Serviços para o dr. Renato Duque e dr. Pedro Barusco. Na Diretoria de Abastecimento, dr. Paulo Roberto Costa.”

+ Dirceu se cala na CPI da Petrobrás

Segundo Júlio Camargo, quem ‘operacionalizava’ os pagamentos era o doleiro Alberto Youssef.

A Odebrecht tem reiterado que se manifesta nos autos.No início das investigações, a empreiteira negou taxativamente envolvimento no esquema de propinas na Petrobrás.

Renato Duque, por sua defesa, sempre negou ter recebido propinas.

Pedro Barusco e Paulo Roberto Costa confessaram ter recebido valores no exterior.

O empreiteiro Ricardo Pessoa, da UTC Engenharia, também admitiu a prática de ilícitos e distribuição de recursos, inclusive a políticos.

Tudo o que sabemos sobre:

Julio CamargoOdebrechtoperação Lava Jato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.