‘A independência da Polícia Federal deve ser total’, afirma novo ministro da Justiça

‘A independência da Polícia Federal deve ser total’, afirma novo ministro da Justiça

Alexandre de Moraes elogia corporação, diz que delação premiada 'vem sendo utilizada na Lava Jato sem problemas' e defende restrição do foro privilegiado

Ricardo Brandt, Julia Affonso e Fausto Macedo

13 de maio de 2016 | 19h43

Alexandre de Moraes, novo ministro da Justiça. FOTO: FELIPE RAU/ESTADÃO

Alexandre de Moraes, novo ministro da Justiça. FOTO: FELIPE RAU/ESTADÃO

O novo ministro da Justiça e Cidadania, Alexandre de Moraes, avalia que a delação premiada é ‘um instrumento importantíssimo para a investigação’. Ele considera que os acordos de colaboração no âmbito da Operação Lava Jato vêm sendo empregados ‘sem problemas, com a participação de todos os atores da área criminal’. Em entrevista ao Estadão, Moraes diz que a independência da PF ‘deve ser total, nos termos estabelecidos pela Constituição’.

Moraes foi promotor de Justiça e é advogado – em janeiro, ele renunciou a todos os processos para assumir o comando da Segurança Pública do governo Alckmin.

ESTADÃO: Qual a sua avaliação sobre delação premiada, instrumento tão atacado na Lava Jato? Deve passar por mudanças? Qual a sua proposta?

ALEXANDRE DE MORAES: A “delação premiada” e suas variações nos diversos países são instrumentos importantíssimos para a investigação, principalmente em casos de corrupção e criminalidade organizada, onde o mais relevante é responsabilizar e prender a cúpula das quadrilhas e recuperar os ativos. Na Lava Jato, a delação premiada vem sendo utilizada sem problemas com a participação de todos os atores da área criminal, delegados, procuradores e juízes e podendo ser impugnada, posteriormente, pelos advogados.

ESTADÃO: A Lava jato está chegando ao fim?

ALEXANDRE DE MORAES: Esta pergunta deve ser dirigida aos delegados federais e procuradores da República que estabeleceram a estratégia exitosa e competente de apuração.

ESTADÃO: Até onde vai a independência da Polícia Federal em sua gestão?

ALEXANDRE DE MORAES: A independência da Polícia Federal deve ser total, nos termos estabelecidos pela Constituição Federal, para que possam prosseguir com esse bom trabalho que vem sendo realizado.

ESTADÃO: Os delegados de Polícia Federal pedem autonomia orçamentária e defendem que a instituição tenha um modelo similar ao do FBI Qual a sua avaliação?

ALEXANDRE DE MORAES: Assim como no Brasil, o FBI também está na estrutura do Ministério da Justiça, lá denominado Secretaria da Justiça. Obviamente, sempre há espaço para analisar melhorias que atendam o interesse público.

ESTADÃO: O diretor geral da PF Leandro Daiello será mantido no cargo?

ALEXANDRE DE MORAES: O delegado Leandro Daiello será mantido, pois vem realizando um ótimo trabalho, é extremamente competente e republicano. Tivemos a oportunidade de atuar em algumas questões importantes para o Município de São Paulo, quando ele exercia a Superintendência e eu duas Secretarias da Capital e será uma satisfação trabalhar novamente com ele.

ESTADÃO: Delegados sugerem escolha do chefe da PF por eleição de lista tríplice. O sr concorda?

ALEXANDRE DE MORAES: Há várias formas de escolha. A atual, lista tríplice, eleição. Nosso ordenamento jurídico optou pela escolha do chefe do Poder Executivo, na qual se insere a Polícia Federal. O mais importante é a garantia de fortalecimento da Instituição e de autonomia de seus membros para a investigação. E isso o Ministério da Justiça e Cidadania irá garantir totalmente.

ESTADÃO: O sr. pensa em acompanhar pessoalmente os trabalhos da força-tarefa de Curitiba?

ALEXANDRE DE MORAES: Como Ministro da Justiça irei garantir todo o apoio e os recursos necessários para que essa importante operação continue em sua trilha exitosa, que foi pautada pelo inteligente, estratégico e competente trabalho dos policiais federais e membros do Ministério Público Federal.

ESTADÃO: O foro privilegiado deve ficar restrito a apenas alguns políticos? Quais?

ALEXANDRE DE MORAES: Não vejo necessidade dessa ampliação de foro privilegiado que a Constituição Federal de 88 estabeleceu. Me parece que seria suficiente, no máximo, essa previsão para Presidente e Vice da República, presidentes da Câmara e do Senado e Ministros do Supremo Tribunal Federal, seguindo a mesma lógica que o texto constitucional definiu para a substituição da chefia da Nação.

Mais conteúdo sobre:

EntrevistaMinistério da Justiça