A importância do cuidado individual do RH com seus colaboradores 

A importância do cuidado individual do RH com seus colaboradores 

Charys Oliveira*

16 de junho de 2021 | 03h30

Charys Oliveira. FOTO: DIVULGAÇÃO

A saúde do colaborador é fundamental para o sucesso de qualquer empresa. Quanto mais as pessoas estiverem bem e focadas, mais elas vão produzir. Isso parece lógico, mas no dia a dia pode não ser tão simples como parece. Muitos colaboradores desenvolvem, inclusive, doenças psicológicas ligadas ao estresse ocasionado por problemas pessoais – principalmente dívidas.

Quando uma pessoa está com problemas financeiros, ela acaba se perdendo em uma distração constante, que começa pequena, mas que pode se agravar, gerando estresse, ansiedade e até mesmo depressão. Um cenário que afeta não apenas o colaborador, mas todo o seu entorno. Além disso, o colaborador pode apresentar um quadro que tem crescido dentro das empresas: o chamado “estresse financeiro”.

Esse desequilíbrio é uma reação do organismo que ocorre quando a pessoa precisa lidar com situações que exigem grande esforço mental e emocional, perturbando o equilíbrio e fazendo com que o indivíduo se sinta ameaçado. Um estudo da PwC mostrou que 53% dos trabalhadores sofrem de estresse causado por questões financeiras e 69% apontam que os problemas de ansiedade são ocasionados por esse endividamento.

Cada um reage de uma forma a um problema, por isso, é preciso considerar a individualidade do colaborador. O RH precisa ouvir cada história e cada profissional, para saber como ajudá-lo da melhor forma – mesmo que problema tenha surgido fora da empresa.

O principal ponto que contribui para gerar o estresse financeiro são as dívidas. Cada um tem uma história e um motivo pelo qual se endividou. Não cabe ao RH saber qual é, mas ele pode ajudar na busca por uma solução, ou a situação do colaborador pode ficar ainda pior, com afastamento e tratamentos específicos. Tudo isso pode ser evitado a partir do cuidado com as pessoas. O RH pode ajudar seus colaboradores ouvindo-os sobre seus problemas, em uma conversa particular. Isso contribui para que ele se sinta mais próximo da empresa e, consequentemente, o ajuda a retomar o foco do trabalho. Afinal, muitas vezes o colaborador só precisa que alguém esteja ao seu lado e o ouça.

Alguns estudos relacionados à temática do estresse financeiro mostram o medo de não conseguir pagar as contas como um dos principais. O aumento dessas dívidas com o acúmulo de juros também preocupa e potencializa o cenário.

Cada dia que passa, a ansiedade provocada pelas consequências da inadimplência se agrava. A vergonha em atender o telefone ao lado dos colegas, sabendo ser uma cobrança, deixa a situação ainda mais alarmante.

Esse estresse impacta diretamente o psicológico do colaborador, que começa a ver a sua produtividade cair. Nesse momento é que o RH precisa entrar e cuidar do funcionário, tentando entender o problema pelo qual ele está passando, em uma conversa franca, direta e empática. Lembre-se de que uma das consequências desse estresse é ele se sentir ameaçado, ou seja, pensar que a qualquer momento pode perder o seu emprego e agravar ainda mais a sua situação financeira.

Vale salientar que o mesmo estudo da PwC mostrou que 76% das pessoas trocariam de empresa se essa oferecesse algum benefício para o seu bem-estar financeiro. Um percentual que mostra, cada vez mais, a preocupação em buscar na empresa algo que vá além de um espaço de trabalho, mas que se apresente como um uma instituição com a qual se pode contar quando há um problema.

As empresas, por sua vez, devem buscar parceiros que ajudem a trazer mais tranquilidade financeira aos seus colaboradores. Com isso, são evitados cenários de apreensão e ansiedade relacionados às finanças pessoais. O resultado?  Colaboradores mais fiéis, engajados e gratos. Todos saem ganhando.

*Charys Oliveira, é a Head de Marketing da Ahfin

Tudo o que sabemos sobre:

Artigo

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.