A importância de ter o nome limpo na praça

A importância de ter o nome limpo na praça

Victor Loyola*

04 de novembro de 2020 | 03h00

Victor Loyola. FOTO: DIVULGAÇÃO

Um total de 67,4% de brasileiros estavam endividados em julho de 2020. Em fevereiro de 2020, logo antes do agravamento da crise do coronavírus, 65,1% das famílias tinham dívidas – o que significa que em pouco tempo houve um crescimento considerável nessa taxa de endividamento.

Esses dados foram divulgados pela Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo e mostraram que tanto endividamento quanto inadimplência estão em alta no Brasil. Os números fazem parte da Pesquisa de Endividamento e Inadimplência do Consumidor, que coleta mensalmente dados de 18 mil famílias de capitais brasileiras e Distrito Federal.

Um balanço anterior, divulgado pela Serasa Experian, em novembro de 2019, aponta um total de 63,2 milhões de brasileiros negativados, com uma dívida média superior a R$ 4 mil reais. Ou seja, mais de 40% da população economicamente ativa no Brasil com nome sujo na praça.

Na prática, essas situações mostram pelo menos uma pendência financeira em aberto nos birôs de crédito existentes no país (como a própria Serasa, SPC, SCPC). O chamado cadastro negativo existe para proteger quem concede empréstimos de fazer negócios com consumidores e empresas com um mau comportamento de pagamento.

Com o nome sujo, o consumidor passa a ter restrições para obter novos financiamentos, uma vez que esse evento impacta negativamente o seu ´score de crédito´, sem contar que transações como fechar um contrato de aluguel, telefonia celular ou qualquer outra que implique em prazo de pagamento pode ser tornar bem mais complicada. Isso acontece porque antes de realizar qualquer transação comercial empresas checam o nome do consumidor nesses cadastros para garantir que não exista pendência naquele CPF.

Os efeitos colaterais da negativação podem ser perversos; a frustração por não conseguir pagar as contas nem ter acesso a produtos ou serviços, aliada à cobrança constante das empresas credoras com multas e taxas de juros pode causar estresse e acarretar em problemas de saúde como quadros de ansiedade e depressão, além de diminuir a produtividade no trabalho.

Pessoas com o nome limpo na praça têm mais facilidade para comprar a prazo, emitir cheques, solicitar cartões de crédito e obter financiamentos com juros mais baixos, ou seja, um histórico de bom pagamento e sem dívidas em atraso é sinônimo de mais realizações. O ´nome´ é seu patrimônio, e merece o mesmo zelo com o qual você cuida de sua casa ou seus investimentos.

*Victor Loyola é empresário do ramo financeiro, cofundador e coCEO da ConsigaMais+

Tudo o que sabemos sobre:

Artigo

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.