‘A hora de Sérgio Cabral chegou’, diz blog de Garotinho

‘A hora de Sérgio Cabral chegou’, diz blog de Garotinho

Página do político, detido por ordem da Justiça Eleitoral acusado de coagir testemunhas que depuseram contra ele, diz que situação dele é 'completamente diferente' da do peemedebista e que prisões 'não foram coincidência'

Mateus Coutinho, Julia Affonso, Ricardo Brandt e Fausto Macedo

17 de novembro de 2016 | 10h19

garotinhocabral

Um dia após o ex-governador do Rio Anthony Garotinho (PR) ser preso, seu blog oficial celebrou a prisão, na manhã desta quinta-feira, 17, de seu rival e também ex-governador do Estado Sérgio Cabral Filho (PMDB). O site do político mostrou ainda que, mesmo depois de preso, as diferenças políticas não ficaram de lado, fez questão de ressaltar que a situação de Garotinho é “completamente diferente” da de Cabral e insinuou também que “não foi coincidência” terem escolhido ontem para prender um e hoje para prender o outro.

“É evidente que querem associar as duas prisões, confundir as pessoas para colocarem Garotinho e Cabral no mesmo bolo”, diz o texto publicado às 8h13 min da manhã. O peemedebista foi detido nesta manhã por determinações da Justiça Federal no Rio e da Justiça Federal no Paraná acusado de liderar um esquema de corrupção envolvendo grandes obras no período em que foi governador do Rio, como o estádio do Maracanã, e também de receber propina em um contrato do Complexo Petroquímico do Rio de Janeiro (Comperj).

Segundo as investigações, Cabral e sua organização criminosa teriam recebido ao menos R$ 224 milhões em propinas referentes às obras do governo do Estado na gestão Cabral. Além disso, o ex-governador teria recebido outros R$ 2,7 milhões em propina entre 2007 e 2011 referente ao contrato da Andrade Gutierrez com a Petrobrás para as obras do Comperj.

Já Garotinho foi denunciado à Justiça Eleitoral acusado de, associação criminosa, corrupção eleitoral supressão de documentos públicos e coação a testemunhas. A investigação do Ministério Público Eleitoral também aponta para Garotinho como chefe de um grupo criminoso. Diferente de Cabral, contudo, o esquema de seu rival envolveu a distribuição do chamado Cheque Cidadão, um programa social que prevê benefício de R$ 200 mensais a famílias carentes, sem respeitar os critérios e para comprar votos da população de Campos dos Goytacazes para os vereadores aliados de Garotinho.

O município do interior do Estado do Rio é reduto eleitoral do ex-governador, que exerce o cargo de secretário de governo local enquanto sua mulher Rosinha Garotinho é prefeita da cidade. Na versão do blog oficial do político, as acusações contra ele são uma “retaliação pelas denúncias que afetam pessoas poderosas”.

“É importante destacar que a situação de Cabral é completamente diferente do caso de Garotinho. Cabral e seu grupo são acusados de receber R$ 224 milhões em propinas cobradas em grandes obras. Garotinho é acusado por dar o Cheque Cidadão às pessoas humildes de Campos. Garotinho não está sendo acusado de por desvio de dinheiro, nem por ato de improbidade. A prisão de Garotinho é uma retaliação pelas denúncias que afetam pessoas poderosas, é um jogo político-eleitoral, que já foi denunciado seguidas vezes aqui no blog, uma perseguição, uma covardia.” segue o texto na página do político, que conclui afirmando que “não há contra Garotinho qualquer acusação de corrupção”.

A rigor, uma das acusações contra ele é de corrupção eleitoral, que pode levar à condenação de até quatro anos de prisão. Uma das acusações que pesam contra Cabral, por sua vez, é de corrupção “comum” que pode render de 2 a 12 anos de cadeia, em caso de condenação. A pena de ambos, caso sejam condenados na Justiça, porém, pode ser muito maior levando-se em conta as outras acusações e suspeitas que pesam contra os dois ex-governadores fluminenses.

CONFIRA ABAIXO A ÍNTEGRA DO TEXTO NO BLOG DE GAROTINHO:

“A hora de Sérgio Cabral chegou. Há vários anos Garotinho vem denunciando a corrupção de Cabral e seu grupo. Há poucos dias, ele protocolou queixa-crime na Procuradoria Geral da República em Brasília denunciando com provas contundentes a roubalheira de Cabral, Pezão, Eduardo Paes, a Gangue dos Guardanapos, empresários e autoridades do Rio de Janeiro. Ao longo do dia vamos relembrar as principais denúncias feitas no blog sobre a corrupção de Cabral.

É importante destacar que a situação de Cabral é completamente diferente do caso de Garotinho. Cabral e seu grupo são acusados de receber R$ 224 milhões em propinas cobradas em grandes obras. Garotinho é acusado por dar o Cheque Cidadão às pessoas humildes de Campos. Garotinho não está sendo acusado de por desvio de dinheiro, nem por ato de improbidade. A prisão de Garotinho é uma retaliação pelas denúncias que afetam pessoas poderosas, é um jogo político-eleitoral, que já foi denunciado seguidas vezes aqui no blog, uma perseguição, uma covardia.

Cabral foi preso com base nas delações de executivos da Andrade Gutierrez, Carioca Engenharia, além de Fernando Cavendish, dono da Delta e parceiro de farras do ex-governador na Europa. Além de Cabral, a operação da Polícia Federal prendeu Carlos Emanuel Miranda, conhecido como Avestruz, que operava como laranja do ex-governador; o ex-secretário de Governo, Wilson Carlos; Hudson Braga, ex-secretário e braço-direito de Pezão, além de outros assessores e ex-assessores. A mulher de Cabral, Adriana Ancelmo foi levada sob condução coercitiva para depor na PF.

No caso de Cabral houve dois mandados de prisão preventiva. Um do juiz Marcelo Brêtas, da Justiça Federal do Rio, e outro do juiz Sérgio Moro.

Mas estejam certos que não foi coincidência terem escolhido o dia de ontem para prender Garotinho, na véspera da prisão de Cabral e seu grupo. É evidente que querem associar as duas prisões, confundir as pessoas para colocarem Garotinho e Cabral no mesmo bolo. Mas, voltamos a repetir, não há contra Garotinho qualquer acusação de corrupção.”

 

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.