A exoneração de Moro

A exoneração de Moro

Uma versão extra do Diário Oficial da União foi publicada nesta sexta-feira, 24, para oficializar a saída do ministro da Justiça e Segurança Pública, Sérgio Moro, de seu cargo, a pedido do próprio chefe da pasta

Sandra Manfrini, Luiz Vassallo e Fausto Macedo

24 de abril de 2020 | 19h05

Brasília, 24/04/2020 – O presidente Jair Bolsonaro já formalizou a exoneração, a pedido, do ministro da Justiça, Sergio Moro. O decreto de exoneração foi publicado em edição extra do Diário Oficial da União que circula nesta sexta-feira.

Na mesma edição, o governo republicou o decreto que tinha saído pela manhã com a exoneração do diretor-geral da Polícia Federal, Maurício Valeixo. Na republicação, justificada por ter saído com “incorreção” na versão anterior, foi retirado o nome de Sergio Moro como um dos que assinam o ato.

Pela manhã, o decreto que destituía Valeixo do cargo era assinado por Bolsonaro e Moro. Em pronunciamento no qual anunciou o seu pedido de demissão, Moro afirmou que foi pego de surpresa pelo ato e negou que o tenha assinado. Para ele, a demissão de Valeixo foi uma sinalização de que Bolsonaro queria o ministro da Justiça fora do governo.

No novo decreto, publicado agora à noite, além de Bolsonaro, assinam o ato o ministro da Casa Civil, Braga Netto, e o ministro da Secretaria Geral da Presidência da República, Jorge Antônio de Oliveira Francisco.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.