A escolha do MBA

A escolha do MBA

*Elaine Tavares

08 de julho de 2021 | 07h00

Acompanhando diversas tendências no Brasil e no mundo em educação, constantemente identifico diferentes tendências em Educação Executiva, compartilhando-as no intuito de ajudar profissionais a refletirem sobre suas escolhas. Nesse contexto, é importante perceber, num primeiro momento, que o curso precisa estar alinhado com o seu momento de carreira e sua experiência. No início da trajetória, as escolhas são mais simples, pois o profissional geralmente está buscando ferramentas e uma leitura cuidadosa da estrutura do curso e a compreensão da reputação da instituição costumam ser suficientes.

Elaine Tavares. Foto: Divulgação.

À medida que o profissional encarreira e ganha bagagem gerencial, passa a poder aproveitar melhor os cursos de conteúdos estratégicos conceituais que vão discutir e interligar conceitos mais profundos, trabalhar habilidades e proporcionar visão crítica, dentre outras possibilidades. Ou seja, são cursos voltados para a formação executiva. Neste contexto, algumas dicas são relevantes para que o candidato possa analisar melhor suas opções para programas de pós-graduação, como os MBAs ou EMBA na linguagem internacional.

A primeira delas é ter consciência de que não tem milagre, ou seja, se você quer ser bem formado, precisa de um bom programa, de uma educação de excelência. Claro que qualquer informação que você absorva sempre ajuda, mas formação requer estudos, conceitos bem trabalhados e alinhados com a implementação nos negócios, reflexão, uma turma de alto nível pensando e debatendo, e tutoria de conteúdo para você não deixar pontos importantes para trás. Assim, uma boa dica é escolher uma instituição séria, se informando, conhecendo as propostas e conversando com ex-alunos que podem ser facilmente localizados no Linkedin.

Outra dica é entender a carga horária. A sua formação precisa ocupar um lugar importante entre as suas prioridades, caso contrário, você estará se enganando. Um MBA de padrão internacional, por exemplo, tem a carga horária mínima de 360h. Você precisa ter tempo de se preparar para as aulas (se fez uma boa escolha). Então, não adianta achar que vai fazer um MBA em seis meses e sair formado. Isso não vai mudar em nada a sua vida. Um MBA precisa alavancar sua carreira e seu investimento financeiro e de tempo devem ser muito produtivos. A carga horária do curso tem que ser compatível com a promessa. É importante prestar atenção também em quantas horas você terá de contato com os professores, pois alguns modelos contabilizam o tempo que você está estudando em casa como tempo de curso. Mais uma vez, é muito importante se preparar para a aula, mas foque na carga horária real para ver se parece alinhada com a proposta.

Seja online ou presencial, tem que ser bem-feito. Essa dica é importante, essencialmente pelo fato de, na pandemia, todos os cursos terem se virtualizados, embora isso tenha aumentado ainda mais a diferença de qualidade entre as aulas. A tecnologia deve ser usada como meio de comunicação. A mesma qualidade da aula presencial precisa ser preservada na aula virtual síncrona (ao vivo). Para isso, a virtualização tem que estar alinhada ao método de ensino da escola. Uma sala de aula rica em debates de casos, por exemplo, pode ser amparada por plataformas como o Zoom, preservando toda qualidade.

Na educação executiva de alto nível, as plataformas ao vivo fazem mais sentido do que aula gravada, sem interação com o professor ou com pouco contato. Mas este “ao vivo” precisa ter forte interação, com câmera aberta e todos participando e se vendo. Não pode ser um professor falando para câmeras fechadas. Os cursos gravados também têm espaço, mas são mais adequados para transmitir uma técnica ou passar informação. Portanto, se informe sobre qual é exatamente a proposta de curso online.

Entender o método também é primordial. Além de considerar se será online, presencial ou híbrido, é importante considerar em sua análise como a escola oferta o conteúdo. Palestras expositivas são úteis para transmissão de informação e ensino de algumas ferramentas. Em uma turma com aluno com bagagem, o ensino focado no participante é uma importante estratégia para se ter uma sala de aula rica, com debate produtivo e uma construção coletiva de conhecimento. Metodologias como método do caso, simulações, jogos e projetos aplicados favorecem o protagonismo do participante e o desenvolvimento de habilidades de direção.

Observar a possibilidade do networking é mais uma dica relevante, pois ele é uma parte importante do curso. Ter bons colegas em sala pode trazer boas oportunidades, além das ótimas discussões. E essas relações podem ser construídas presencialmente ou vitualmente e permanecerão e serão desenvolvidas ao longo de muitos anos. Nesse ponto, estude o público-alvo do curso e a reputação da Escola para entender se é naquele grupo que você quer estar.

E, por último, mas não menos importante, é preciso ter em mente que estudar fora não é impossível. Um elemento desejável a ser observado é se o curso dá a possibilidade de se fazer um intercâmbio no exterior. Muitas pessoas têm o sonho de ter uma experiência de estudo fora e essa pode ser uma excelente oportunidade. Claro que muitas oportunidades irão se abrir, mas porque não fazer também do seu MBA ou da sua Pós-Graduação um caminho para sua internacionalização?

Enfim, seu investimento na carreira executiva precisa ser produtivo e uma boa escolha educacional é essencial para isso.

*Elaine Tavares – Diretora do COPPEAD/UFRJ

 

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.