A empresa do agora

A empresa do agora

Efigenia Vieira*

10 de maio de 2020 | 03h00

Efigênia Vieira. FOTO: ADRIANA PORTO

Até que ponto se encontra a convicção de que a sua empresa e colaboradores irão superar juntos a você um dos maiores desafios de sua vida como empreendedor ou empresário?

Será que você acredita na rápida retomada do crescimento do Brasil? Existe a esperança no médio prazo, da reconquista da satisfatória saúde da sua empresa? O seu negócio tem gerado evolução na sua vida profissional e pessoal?

Como dirigente, você tem desenvolvido a musculatura da liderança como protagonista neste momento marcante na história?

Sabe construir riqueza, desenvolvendo-se além do possível com o mindset de crescimento? Está preparado para fornecer poder ao tecido empresarial? Onde tem colocado a sua energia?

Encontra-se atento ao desenvolvimento de novos posicionamentos? O seu foco encontra-se na superação dos diferenciados desafios pós-crise? O seu lugar tem sido de líder ou de gestor nesta travessia pós-covid-19?

Há a “coragem vital” de dar direção aos seus liderados frente às incertezas? Estas são perguntas que inquietam!

Espectadora ativa destes eventos, torna-se claro que, frente às instabilidades e incertezas, entram em cena as já conhecidas “competências duráveis” como a empatia, a resiliência, a adaptação e o poder da colaboração, que veio para ficar.

A insubstituível energia caminha junto a percepção fina de líderes sobre os seus colaboradores, que sofrem com este momento e que precisam ser vistos, escutados e reconhecidos. Precisam, sobretudo, de uma mudança de fluxo, de uma nova liderança. Líderes que sejam capazes de ter um papel redutor de inúmeras incertezas no âmbito pessoal, familiar, empresarial e social. Nesta travessia torna-se essencial uma interação saudável com este momento de crise, tornando-o um aliado no aprendizado de novas condutas e culturas.
É urgente simplificar os processos que levam à evolução e à prosperidade.

De posse do racional, do objetivo, da flexibilidade e de ações com dimensões subjetivas, todos estarão mais conscientes e dispostos a correr riscos. A dinâmica vai além dos rótulos e de mensagens positivas, que muitas vezes podem ser tóxicas.

Quando a vida voltar ao normal, haverá muitas oportunidades para aquele que sabe os critérios de uma nova liderança; que está preparado para a revolução 4.0; que sabe orquestrar habilidades e competências; que interage com a equação dados X valores, e que cultiva o espírito da cooperação e interdependência. A dinâmica não será a rigidez, e sim o rigor + disciplina + flexibilidade = fazer com medo, competência de time e a descentralização do poder de decisão.

O sucesso de alguém não será mais o fracasso de outra pessoa, pois haverá respeito a competitividade de cada um. A civilização vive uma inevitável transformação. Agora é possível compreender, que somos uma só raça em um planeta interconectado.

O chamado é transformar o conhecimento sobre você e suas várias funções interdependentes, complementares e, até desconhecidas, que são sustentadas por suas habilidades em ações voltadas para um novo mundo. Tendo tudo isto com você no enfrentamento e saída do caos instalado, a meta será: “Criar o futuro todos os dias”.

*Efigenia Vieira, psicóloga, headhunter e CEO da Upside Group

Tudo o que sabemos sobre:

Artigo

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.