A delação que levou José Dirceu para a prisão da Lava Jato

A delação que levou José Dirceu para a prisão da Lava Jato

Milton Pascowitch, lobista, fez longo relato sobre a rotina de propinas para ex-ministro do governo Lula

Redação

03 de agosto de 2015 | 09h51

Foto: Dida Sampaio/Estadão

Foto: Dida Sampaio/Estadão

Por Ricardo Brandt, enviado especial a Curitiba, Julia Affonso e Fausto Macedo

A delação do lobista Milton Pascowitch é o ponto crucial da Operação Pixuleco, a 17.ª etapa da investigação que levou para a prisão da Lava Jato o ex-ministro José Dirceu (Casa Civil/Governo Lula).

Milton Pascowitch declarou ainda que intermediou propinas a José Dirceu de outras empresas, como a Hope Recursos Humanos e a Personal.

Lava Jato pede ao Supremo remoção de Dirceu para Curitiba

+ ‘Estamos no mesmo saco, eu, o Lula, a Dilma’, diz Dirceu

Laudo relaciona consultoria de Dirceu à propina na Petrobrás

A Hope fornece mão de obra técnica terceirizada à Petrobrás. A empresa pagaria propinas, segundo Pascowitch, também a Renato Duque (ex-diretor de Serviços da Petrobrás) e às pessoas responsáveis pela indicação deste ao cargo, especificamente José Dirceu e associados deste”.

A delação que levou José Dirceu para a prisão da Lava Jato

Pascowitch relatou que a empreiteira Engevix realizou “diversos pagamentos ao Partido dos Trabalhadores através de João Vaccari Neto (ex-tesoureiro do PT), por meio de doações oficiais e doações não registradas, estas em espécie”.

 

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.