A decisão de Moro que põe Vaccarezza na prisão da Lava Jato

A decisão de Moro que põe Vaccarezza na prisão da Lava Jato

Ex-deputado é suspeito de receber US$ 500 mil em propina

Redação

18 Agosto 2017 | 10h16

Sérgio Moro. Foto: Felipe Rau/Estadão

O ex-deputado federal Cândido Vaccarezza foi preso na Operação Lava Jato nesta sexta-feira, 18. Vaccarezza é investigado pelo recebimento de cerca de Us$ 500 mil em propina.

Documento

A Polícia Federal cumpre mandados de busca e apreensão, condução coercitiva e prisões temporárias decorrentes de duas investigações envolvendo corrupção de empresas estrangeiras na Petrobrás.

A primeira é referente à facilitação da contratação de armadores gregos para o fretamento de navios, tendo como contrapartida o pagamento de vantagens indevidas aos envolvidos; e a segunda relativa à contratação do fornecimento de asfalto pela empresa estrangeira Sargeant Marine à estatal petrolífera, mediante o pagamento de propinas a funcionários públicos e agentes políticos.

COM A PALAVRA, O ADVOGADO MARCELLUS FERREIRA PINTO, QUE DEFENDE CÂNDIDO VACCAREZZA

“A defesa de Cândido Vaccarezza, por meio do advogado Marcellus Ferreira Pinto, esclarece, em nota, que: Cândido Vaccarezza nunca intermediou qualquer tipo de negociação entre empresas privadas e a Petrobrás. A prisão foi decretada com base em delações contraditórias, algumas já retificadas pelos próprios delatores. A busca e apreensão excedeu os limites da decisão judicial, confiscando valores declarados no imposto de renda e objetos pertencentes a terceiros sem vínculo com a investigação. A defesa se manifestará nos autos e espera que a prisão seja revogada e as demais ilegalidades corrigidas!”