A decisão da Justiça que afastou Joesley Batista do comando da J&F

A decisão da Justiça que afastou Joesley Batista do comando da J&F

O despacho do juiz Vallisney de Souza Oliveira acolheu pedido do Ministério Público Federal, segundo o qual o executivo descumpriu um termo feito anteriormente como desdobramento da Operação Greenfield.

Redação

01 de abril de 2017 | 16h26

O juiz Vallisney de Souza Oliveira, da 10.ª Vara Federal de Brasília, determinou ontem o afastamento do empresário Joesley Batista das presidências dos conselhos da holding J&F e de uma de suas controladas, a Eldorado Celulose. Pediu, também, à Comissão de Valores Mobiliários (CVM) o bloqueio de todas as ações da J&F na Eldorado. A holding também controla a JBS, dona das marcas Friboi e Seara.

Documento

O despacho do juiz Vallisney de Souza Oliveira acolheu pedido do Ministério Público Federal, segundo o qual o executivo descumpriu um termo feito anteriormente como desdobramento da Operação Greenfield.

Por esse acordo, Joesley e seu irmão, Wesley, tiveram os bens desbloqueados e puderam continuar no conselho de administração das empresas do grupo J&F, desde que depositassem em juízo R$ 1,5 bilhão em seguro-garantia ou em títulos públicos e tomassem medidas de saneamento administrativo.

Em fevereiro, porém, o MPF pediu a suspensão do acordo. Entre outros pontos, afirmou que há indícios de irregularidades na contratação de duas empresas de auditoria que teriam tentado “legitimar as práticas ilegais encontradas” no pagamento da Eldorado a duas empresas relacionadas ao corretor Lúcio Bolonha Funaro, ligado ao ex-deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ), condenado a 15 anos de prisão nesta semana.

Em nota, a Eldorado afirmou que vai cumprir a determinação de eleger um novo presidente do conselho em até 30 dias. Já Grubisich vai utilizar o prazo de cinco dias para recorrer sobre seu possível afastamento da presidência da empresa.

Em nota, a J&F afirmou que Joesley cumprirá todas as medidas requeridas pelo MPF e deferidas pelo juiz de primeira instância, mas que vai exercer seu direito de defesa.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.