A decisão da Justiça Federal que mandou 22 para o banco dos réus pela tragédia de Mariana

A decisão da Justiça Federal que mandou 22 para o banco dos réus pela tragédia de Mariana

Do total de denunciados, 21 vão responder por homicídio qualificado com dolo eventual – quando é assumido o risco de matar

Redação

18 de novembro de 2016 | 14h54

A Justiça Federal de Ponte Nova (MG) abriu ação criminal contra 22 denunciados pela Procuradoria da República pelo desastre ambiental após o rompimento da Barragem do Fundão, em Mariana, que matou 19 pessoas em novembro de 2015 e provocou destruição na Bacia do Rio Doce. Quatro empresas também são acusadas na ação penal: Samarco Mineração S.A., BHP Billiton Brasil, mineroda Vale e VogBR Recursos Hídricos e Geotecnia.

Dos 22 acusados, 21 foram denunciados por homicídio qualificado com dolo eventual – quando é assumido o risco de matar. Todos são réus também por crimes de inundação, desabamento e lesões corporais graves. Eles vão responder também por crimes ambientais, os mesmos atribuídos às empresas.

Notícias relacionadas

Tudo o que sabemos sobre:

MarianaBarragem de FundãoSamarco

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.