A caminho do quartel

A caminho do quartel

Ex-presidente está sendo transferido na tarde desta segunda, 13, da sede da Polícia Federal para uma sala de Estado Maior do Comando de Policiamento de Choque da Polícia Militar de São Paulo, por ordem da juíza Caroline Figueiredo, da 7.ª Vara Federal do Rio, no âmbito da Operação Descontaminação, desdobramento da Lava Jato que atribui ao emedebista o papel de líder de organização criminosa

Pepita Ortega, Luiz Vassallo e Fausto Macedo

13 de maio de 2019 | 15h39

Michel Temer. FOTO: DIDA SAMPAIO/ESTADÃO

A Polícia Federal está levando Michel Temer para o Comando de Policiamento de Choque, no bairro da Luz, região central de São Paulo, na tarde desta segunda, 13. A transferência do ex-presidente foi determinada pela juíza Caroline Figueiredo, da 7.ª Vara Criminal Federal do Rio, no âmbito da Operação Descontaminação, desdobramento da Lava Jato que atribui a ele o papel de líder de organização criminosa que teria desviado, em 30 anos de atuação, pelo menos R$ 1,8 bilhão. O emedebista é levado para fazer exame de corpo de delito no Instituto Médico Legal, antes de ser encaminhado à Sala de Estado Maior na PM.

Temer está preso desde a tarde de quinta, 9, quando se entregou à PF. Seus advogados pediram a remoção do ex-presidente para uma sala de Estado Maior em unidade militar. O criminalista Eduardo Carnelós, defensor de Temer, assinala que ‘não se trata de privilégio, mas de assegurar ao presidente um direito constitucional’.

A PF informou Caroline, ainda na sexta, 10, que não dispõe de acomodações adequadas para manter custodiado o ex-presidente. No mesmo dia, a PM comunicou a possibilidade de receber Temer. O Ministério Público Federal no Rio manifestou-se favoravelmente à transferência.

Nesta segunda, 13, a magistrada determinou o deslocamento do emedebista para uma unidade do Comando de Policiamento de Choque da Polícia Militar.

A sala de Estado Maior de Temer deverá ser uma dependência com banheiro privativo, dotada de mesa de reuniões.

Temer, alvo de seis processos criminais, poderá ficar por tempo indeterminado em seu novo endereço se os ministros da Sexta Turma do Superior Tribunal de Justiça não acolherem pedido de habeas corpus que será julgado nesta terça, 14.

O habeas foi protocolado na sexta, 10, mas o ministro relator, Antonio Saldanha Palheiro, decidiu levar o processo para o colegiado.

O habeas é a grande aposta de Temer para reaver sua liberdade, aos 78 anos de idade.

Tudo o que sabemos sobre:

Michel Temeroperação Lava Jatoprisão

Tendências: