A adaptabilidade e o novo normal

A adaptabilidade e o novo normal

Leonardo Thielo de La Vega*

16 de abril de 2021 | 15h25

Leonardo Thielo de La Vega. FOTO: DIVULGAÇÃO

A partir de uma observação lógica da evolução, o que Charles Darwin diria hoje às corporações que estão se preparando para um futuro que já começou?

Não é novidade para ninguém que as tendências que ainda engatinhavam ganharam um impulso impressionante desde o início da pandemia. Nesta lista aparecem o trabalho remoto, ensino à distância, telemedicina, e-commerce e diversos outros acontecimentos que aceleraram a transformação digital ao nosso redor. Inegavelmente o novo coronavírus antecipou o que seria o novo normal do futuro e puxou para os dias de hoje intensas e profundas transformações.

Embora muito provavelmente a adaptabilidade seja a estratégia de sobrevivência mais antiga do planeta, seu conceito nunca fez tanto sentido no mundo corporativo quanto agora. Em meio a esta verdadeira revolução digital, a adaptação passou a ser a nova vantagem competitiva do mercado, onde empresas e profissionais precisam assumir posições dinâmicas para se manterem atualizados e competitivos.

Em um artigo publicado recentemente pela Harvard Business, chamado “Como liderar em uma era de grandes mudanças”, os autores Aneel Chima e Ron Gutman reforçam o surgimento de uma nova realidade, na qual as mudanças são contínuas, cada vez mais rápidas e onipresentes. Para os autores, é preciso repensar estratégias e criar uma comunicação mais humana na cultura organizacional das empresas.

Ao reunirem líderes de diferentes setores para analisar o processo de adaptação de cada um, os pesquisadores perguntaram a eles sobre o tipo de liderança que será eficaz em um futuro caracterizado por mudanças ininterruptas. Destacaram-se humildade, abertura do líder e autenticidade como as principais habilidades relevantes a serem trabalhadas em tempos de incerteza. Talvez um novo modelo de liderança apoiado na convergência entre escuta ativa e trabalho colaborativo seja a base de uma ótima estratégia para o sucesso neste momento.

Na competição natural do mercado, planejar e trabalhar de maneira estratégica pode aumentar a probabilidade de fazer a leitura correta do futuro, permitindo que as organizações se antecipem aos fatos e se adaptem a eles para liderá-los desde o presente. E se a pandemia nos trouxe boas lições, uma delas é o fato de que cruzar os braços e esperar não é uma boa opção definitivamente.

Afinal, como diria Darwin, a seleção natural irá agir invariavelmente, favorecendo sempre o melhor adaptado.

*Leonardo Thielo de La Vega é médico veterinário, empresário, professor de pós-graduação e articulista para a imprensa especializada em agronegócio

Tudo o que sabemos sobre:

Artigo

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.