‘500 por semana’

‘500 por semana’

Ouça o suposto acerto de R$ 2 milhões entre Joesley Batista, da JBS, e Aécio Neves (PSDB-MG), alvo da Patmos, que teve seu mandato devolvido pelo STF

Luiz Vassallo

30 de junho de 2017 | 15h39

Aécio Neves – 21/03/2017. Foto: Valter Campanato/Agência Brasil

O senador Aécio Neves (PSDB-MG), que recebeu de volta pelo Supremo Tribunal Federal, nesta sexta-feira, 30, o seu cargo no Legislativo, volta à Casa sob denúncia por corrupção passiva e obstrução de Justiça movida pela Procuradoria-Geral da República, mas já absolvido pelo Conselho de Ética do Senado. Pesam contra ele depoimentos, notas fiscais e contratos que, segundo os delatores, são indícios de propinas pagas pela JBS, além da ação controlada da Polícia Federal sobre um repasse de R$ 2 milhões que foi acertado por ele e sua irmã, Andréa Neves, e operacionalizado entre seu primo, Frederico Pacheco, junto ao diretor de Relações Institucionais da J&F, Ricardo Saud.

Janot denuncia Aécio por corrupção e obstrução de Justiça

Procuradoria cobra multa de R$ 6 milhões de Aécio e Andrea Neves

O acerto dos pagamentos teria sido realizado em conversa gravada entre Aécio e o executivo Joesley Batista, da JBS, no hotel Unique, em São Paulo, em março, em que o senador não apenas pede o dinheiro alegando que vai pagar seu advogado, Alberto Zacharias Toron, como indica seu primo, Fred, para pegar o montante, já que, segundo ele, para realizar a operação, ‘teria que ser um que a gente mata antes de fazer delação’.

O ACERTO DOS R$ 2 MILHÕES

Transcrição da Polícia Federal:
Joesley: Deixa eu te falar dois assuntos rapidinho:  A sua irmã teve lá
Aécio: Brigado por ter recebido ela lá
Joesley: Tá, ela me falou de fazer dois pra aquele advogado, más não dá pra ser isso mais, tem que ser, eu acho, pelo que tá vendo tudo, pra mim e pra você, primeira coisa
Aécio: Que os dois que eu estava pensando, já trabalha pra você
Joesley: Eu se, eu sei
Aécio É, é. Que…
Joesley: Esse aqui, ponto. Acabou, aí não tem, pronto. Primeira coisa, eu consigo (ele faz um gesto com as mãos de 500), é das minhas lojinhas que eu tenho, que caiu a venda pra caralho,
Aécio: he,he,he.
Joesley: Tá uma bosta
Aécio: Como é que a gente combina?
Joesley: Tem que ver, você vai lá em casa, ouuuuuu
Aécio: O Fred
Joesley: Se for o Fred, eu ponho um menino meu, se for você, sou eu.  Eu só faço desse jeito, entre dois, só dá pra ser entre dois, não dá pra ser
Aécio: Tem que ser um que a gente mata ele antes de fazer delação
Joesley: Isso, isso.
Aécio: mataria
Joesley: Eu com você, pronto, ou
Aécio: O Fred com um cara seu
Joesley: Tá bão.
Aécio: Vamos combinar o Fred com o cara seu, que ele sai de lá e vai no cara.
Joesley: Pronto.
Aécio: Você tá me dando uma ajuda do caralho. Sabe como que eu tô fazendo para segurar esse advogado?  Eu ia dar o Toron pra ele. Porque não tem nada, ninguém te ajuda, pra mim mandar a Andrea lá, é porque eu fiquei dez noites ser dormir, eu fiquei enrolando pra te ligar, você já me ajuda pra caralho.
Joesley: harran, do jeito que tá
Aécio: Eu vou entrar numa merda dessa sem advogado?>>>>>>>>>>>>>>
Joesley: Tá então. O menino entra em contato com Fred.
Aécio: Ele sai de lá e já deixa na casa do cara
Joesley: Pronto, quinhentos por semana, tá, tá. Eu acho que consigo a partir da semana que vem
Aécio:  Dinheiro liga pro Fred

A JUSTIFICATIVA DE AÉCIO: 

O senador tem dito que foi alvo de uma armação de Joesley Batista e que os R$ 2 milhões pedidos em gravação seriam destinados à compra de um imóvel de sua família:  “Eu fui vítima de uma armação de réus confessos que só tinham um objetivo: livrar-se dos gravíssimos crimes dos quais são acusados. Mesmo que para isso tentassem implicar pessoas de bem. Essa armação me tornou hoje alvo de acusações e suspeitas e levou a medidas injustificáveis, Como a prisão de meus familiares que não cometeram nenhum ato ilícito”, afirmou. Segundo o senador afastado, ele teria pedido a Andrea, sua irmã, para que oferecesse a compra do apartamento de sua família, no Rio de Janeiro. “Com parte desses recursos, eu poderia antão pagar a minha defesa em inquéritos que, tenho certeza, serão arquivados”.

OPERAÇÃO CARNE FRACA E A MUDANÇAS NA PF: 

Naquela mesma ocasião, em que Aécio foi gravado por Joesley supostamente pedindo R$ 2 milhões, ele também disparou críticas quanto à ação da Polícia Federal no âmbito da Operação Carne Fraca, que apura irregularidades da JBS envolvendo corrupção de agentes do Ministério da Agricultura com o fim de defender interesses das empresas do setor agropecuário. Ouça:

Transcrição da Polícia Federal:

Aécio: Confusão filha da puta, Eu tava falando com o Trabuco hoje de manhã, fomos apertar o Michel agora, a  Polícia Federal tinha que fazer uma mea culpa pública e pedir desculpa, o caralho.
Joesley: Sabe quantos Container eu tenho parado  na água? Dois mil Container, parado, vai ter que voltar dois mil containers.
Aécio: Ai
Joesley: Tudo no mundo inteiro, na China, na Europa. Isso que tá na água, dentro do navio.
Aécio: Que falta de responsabilidade do caralho
Joesley: Que lourura né? Ô Aecio mais é o seguinte é.. Isso é um evento que agora serviu pa  que a sociedade entenda  como que está funcionando, porque as outras operações não foram diferentes, a Greenfield não foi diferente, todas as outras é que essa deu mais, Porra essa deus mais prá todo mundo entender, baseado num nada, o cara faz um estandarlaço e vira as costa, vai embora e deixa o circo pegando fogo
Aécio: Pega um cara, um fila da Puta e.. eu tô vendo que ele começou a falar agora no Jornal Nacional, uma cara de idiota do caralho, o tal do delegado, não, o nosso foco não era  a Carne, não era o mercado da carne, o caralho, fudeu com o Brasil, filho da puta
Joesley: Sabe quanto tempo vai demorar os países  voltar?  Vai anos, anos, porque é o seguinte, a gente é que falou mal da gente mesmo, então porra tudo que os cara… a briga é comercial, ne?
Aécio: Nada resolve, foi uma cagada generalizada, mas eu tô, tô querendo apertar de novo, o Michel nessa história. Acho que o Brasil, a operação tem que fazer uma Mea culpa pra dar pelo menos mais um instrumento, por negociador novos, por embaixadores, por diplomatas novos, o cara da Polícia Federal que chega a isso tem que caí né. chegar e falar, foi um erro de deliberações e tal, é questões pontuais, que não afeta uma mea culpa do Brasil que Michel não teve culhão de cobrar do cara pra fazer. Eu tava cobrando do Governo isso hoje eu falei.

Aécio Neves e Joesley Batista ainda aproveitaram, em gravação, no hotel Unique, em São Paulo, para  supostamente sugerir que o diretor geral da Polícia Federal, Leandro Daiello, deveria ser trocado:

Transcrição da Polícia Federal:

Aécio: Um bosta do caralho, passando mal de saúde, pede pra sair, um chutador, o Michel falou nele lá em São Paulo ontem, que ele errou de novo em nomear essa porra. O que vai acontecer agora, vai vir inquérito em um punhado de gente, caralho, eles são tão bunda mole. Eles não notaram que o cara que vai distribuir os inquéritos… sei lá tem cem, dois mil delegados federais, tem que escolher dez caras, do Moreira o que interessa a ele sei lá, vai pro João, o do Aécio vai pro Zé.  O outro filho da puta, foda-se, vai para o Marculino, nem isso conseguiram terminar, eu, o Alexandre e o Michel…
Joesley: Tem que trocar o tal  do Danielo Bianck.
Aécio: Tirar esse cara, um motivo igual a esse
Joesley: Porra, criou até o clima
Aécio: Ele tava querendo, já estava até preparado para sair.
Joesley: Se não trocar agora com isso, fodeu

A JUSTIFICATIVA DE AÉCIO: 

“Sobre a Operação Lava Jato, não existe qualquer ato do senador Aécio, como parlamentar ou presidente do PSDB, que possa ter colocado um empecilho sequer aos trabalhos da Polícia Federal ou do Ministério Público”, afirmou o senador.

 

 

 

Tendências: