3 a 0 contra Lula? 2 a 1 para Lula?…Entenda cada placar possível do julgamento

3 a 0 contra Lula? 2 a 1 para Lula?…Entenda cada placar possível do julgamento

Advogados experientes, com larga atuação nos tribunais, avaliam para o Estadão os cenários da sessão histórica desta quarta-feira, 24, no Tribunal de Lava Jato que vai analisar os recursos do ex-presidente, condenado a 9 anos e seis meses de prisão, e de outros seis réus do caso triplex

Julia Affonso e Ricardo Brandt, enviado especial a Porto Alegre

24 Janeiro 2018 | 00h04

Lula. 2017. Foto: REUTERS/Ueslei Marcelino

Os desembargadores da 8.ª Turma do Tribunal Regional Federal da 4.ª Região (TRF-4) julgam nesta quarta-feira, 24, o recurso do ex-presidente Lula contra a sentença de 9 anos e seis meses de prisão que lhe foi imposta pelo juiz federal Sérgio Moro no caso triplex. O petista foi sentenciado por corrupção e lavagem de dinheiro.

Entenda como vai ser o julgamento de Lula no Tribunal da Lava Jato

Os advogados Renato Stanziola Vieira e André Pires Kehdi, sócios do escritório André Kehdi & Renato Vieira Advogados, analisam os possíveis cenários do julgamento. Vieira e Kehdi ostentam larga experiência forense.

+ ARTIGO: Lula deve ser julgado de acordo com a lei e com isonomia

Leandro Paulsen, João Pedro Gebran Neto e Victor Laus. Fotos: TRF4

Fazem parte da 8.ª Turma os desembargadores João Pedro Gebran Neto (relator), Leandro Paulsen (revisor) e Victor Luis do Santos Laus (terceiro juiz).

A sessão vai julgar os recursos de Lula e de mais seis réus e terá início às 8h30.

+ Afonso do triplex’ pede Lula na cadeia e Moro candidato à Presidência

Lula faz seu apelo derradeiro ao Tribunal da Lava Jato

Lula pede ao Tribunal de Lava Jato direito de recorrer em liberdade

Lula pede prescrição da pena no caso triplex

Dos 77 condenados por Moro, Tribunal da Lava Jato só absolveu 5

A força-tarefa da Operação Lava Jato sustenta que a empreiteira pagou propina de R$ 3,7 milhões ao PT e ao ex-presidente, por meio do apartamento triplex do Guarujá e do depósito do acervo presidencial.

+ Entenda os cenários para Lula após julgamento do Tribunal da Lava Jato

‘Recursos existem para diminuir erros’, diz advogado que reverteu sentenças de Moro

Advogado da Petrobrás defenderá em julgamento de Lula fim de ‘políticos profissionais’ em cargos em comissão

Lava Jato investiga ‘Lula, o filho do Brasil’

Executivos da Odebrecht relatam em e-mail ‘demanda’ de R$ 1 mi para filme sobre Lula

Para executivo da Odebrecht, ‘Lula, filho do Brasil’ era ‘um tipo de louvação maléfico’

VEJA OS CENÁRIOS POSSÍVEIS

Se o julgamento terminar em 2 a 1 contra Lula?

Na hipótese de acórdão condenatório que não seja unânime, será possível ao réu manejar um recurso chamado de Embargos Infringentes, perante o próprio TRF4. Esse recurso é, no processo penal brasileiro, exclusivo para a defesa e só é cabível em caso de decisões não unânimes. Exemplos disso: embargos infringentes no caso mensalão, apelação de José Dirceu no próprio TRF4.

Se o julgamento terminar em 2 a 1 a favor de Lula?

Um acórdão absolutório substitui integralmente a decisão condenatória proferida em primeiro grau. Contra esse acórdão poderá a acusação recorrer ao STJ e ao STF, a depender da matéria que se pretenda questionar (violação à lei federal no primeiro caso e à Constituição, no segundo). De qualquer maneira, qualquer desses dois recursos (especial e extraordinário) não apreciam mais matéria de fato, e sim, exclusivamente, matéria de direito.

Deve-se considerar que o “a favor de Lula” também pode significar uma procedência parcial do recurso, ou seja, uma redução de pena. Nesse caso, Lula ainda terá sido condenado, mas a uma pena menor. Daí poderão surgir, também, recursos defensivos (para melhorar ainda mais sua situação) e condenatórios (para aumentar a pena). Esses recursos, contudo, são endereçados não mais ao TRF4 (que terá já esgotado sua jurisdição), mas ao STJ (recurso especial) e STF (recurso extraordinário).

Se o julgamento terminar em 3 a 0 contra Lula?

Nessa hipótese, diversamente do exposto na situação de votação não unânime, não caberão Embargos Infringentes. Assim, caso o condenado queira discutir a questão só haverá recursos endereçados ao STJ (recurso especial) ou ao STF (recurso extraordinário). Como já dito, ambos apreciam apenas matéria de direito, e não matérias de fato. E ambos têm um juízo de admissibilidade restrito (exemplo: no caso do recurso extraordinário deve-se comprovar inclusive a chamada “repercussão geral”).

Se o julgamento terminar em 3 a 0 a favor de Lula?

Nessa situação o acórdão substituirá integralmente a decisão condenatória e o recurso a ser interposto só poderá ser para STJ ou STF. O julgamento a favor do condenado, aliás, seja majoritário, seja unânime, tem o mesmo efeito para a acusação, pois em qualquer dos casos não há recurso interposto no mesmo tribunal que possa alterar a decisão.

O que ocorre se algum desembargador pedir vista? Há adiamento da decisão?

Processualmente o julgamento teve início, mas não teve fim ainda. Assim, os votos já colhidos na sessão contam, mas se aguardará o proferimento do novo voto por parte do desembargador que pediu vistas. Com o proferimento do voto do desembargador que pediu vistas, quem votou anteriormente pode ou manter o voto já proferido ou eventualmente rever o voto de forma a acompanhar o desembargador que estiver proferindo o voto. Essa última situação, de mudança de voto, apesar de possível e conhecida, não é tão frequente nos Tribunais. E, com a conclusão do voto, uma das situações anteriores acontecerá, com o que voltamos às respostas já dadas.

Quais os recursos e prazos possíveis da acusação e da defesa?

– 2 x 1 contra Lula: embargos infringentes (exclusivo da defesa) com prazo de 10 dias após a publicação do acórdão.

– em todas as outras situações, ou seja, tanto para o acusado quanto para o acusador:

– embargos de declaração (visa combater omissão, obscuridade, contradição ou omissão no acórdão): prazo de 2 dias a contar da publicação do acórdão. Vale mencionar que pode se dar de haver a oposição sucessiva de mais de um recurso de embargos de declaração – tanto pela acusação quanto pela defesa.
– recurso especial (ao STJ): 15 dias a contar da publicação do acórdão. Vale lembrar que a oposição de embargos de declaração interrompe a fluência desse prazo, que começa a correr novamente após o acórdão do julgamento dos próprios embargos.

– recurso extraordinário (ao STF): 15 dias a contar da publicação do acórdão. Vale lembrar que a oposição de embargos de declaração interrompe a fluência desse prazo, que começa a correr novamente após o acórdão do julgamento dos próprios embargos.

– em caso de eventual negativa de processamento de qualquer desses dois recursos (especial e extraordinário) pelo próprio TRF4, que profere um primeiro juízo de admissibilidade, e com vistas a fazer com que os recursos cheguem a Brasília, caberá ainda o agravo contra decisão denegatória, no prazo de 5 dias a contar da decisão que venha a denegar o seguimento.

Qual o efeito sobre o registro da candidatura e sobre o direito de Lula se candidatar?

O proferimento de acórdão condenatório em 2º grau nos termos aqui discutidos acarretará a inelegibilidade do candidato, ou seja: mesmo após já registrado para concorrer em eleições, não poderá ser validamente eleito. A discussão portanto passará à justiça eleitoral que deverá apreciar as arguições de inelegibilidade a partir de impugnação ao registro por parte de partido político, coligação ou Ministério Público. E a questão, por se tratar de pleito à presidência da república, será resolvida pelo Tribunal Superior Eleitoral.

O Tribunal pode executar a pena de imediato?

Após o julgamento do HC 126.292, de 2016, o STF, por maioria de votos, passou a entender que o proferimento de acórdão condenatório em 2º grau pode acarretar o cumprimento imediato de eventual pena de prisão, mesmo antes de formalização de trânsito em julgado da condenação. Essa situação, portanto, passa a merecer atenção.

E, nesse caso, pode se dar uma das seguintes situações:

– o TRF4 determina que se aguarde o trânsito em julgado da decisão, em obediência ao art. 5º, LVII, da Constituição Federal.

– o TRF4, no julgamento da apelação ou de eventuais embargos de declaração ou infringentes, determina a expedição demandado de prisão em caso de condenação. Nessa situação, o acusado poderá impetrar habeas corpus perante, inicialmente, o STJ e, em caso de indeferimento, sucessivamente o STF, para revogar sua prisão. Eventualmente pode se dar a concessão de medida liminar, tanto no STJ quanto no STF, sobretudo diante do fato de no STF haver sério debate recente sobre o acerto daquela decisão no HC 126.292.

Mais conteúdo sobre:

Lulaoperação Lava Jato