2021 para bares e restaurantes: sobrevivência ou retomada?

Marcelo Ferri*

12 de fevereiro de 2021 | 03h00

2020 deu adeus com gosto de “já vai tarde,” especialmente quando falamos como empresários. Em um ano que ficou para a história fomos obrigados a repensar nossos negócios nos mais diferentes aspectos. O setor de bares e restaurantes, que foi um dos mais atingidos pela crise, precisou mudar seu foco evidenciando serviços que levassem praticidade ao consumidor, aliados à segurança e à comodidade.

Segundo levantamento do ControleNaMão, o serviço de delivery, por exemplo, tido como a grande salvação do setor em 2020, teve um crescimento de mais de 37% em comparação com o ano anterior. Será ele também o salvador da pátria em 2021? Ou o segmento terá uma retomada com o novo cenário com o início da vacinação da população brasileira?

Apesar de 2021 ter começado com esperança a notícia da vacina não é algo que impacta o setor de imediato. Ainda há um longo caminho a percorrer para que o segmento consiga se reerguer e alcance o crescimento que foi pausado com o isolamento social. Dito isso, a previsão é de que até 2022 o delivery continue sendo um dos salvadores da pátria sim. Até porque com as restrições de segurança e com a orientação do Ministério da Saúde de evitar o encontro com amigos e familiares em espaços públicos, as chances de vendas são maiores para os clientes que estão em casa e exigem a entrega do produto.

Junto ao delivery, outra tendência que segue em alta é o “take away”, alternativa de entrega do pedido no balcão do estabelecimento restringindo contato, permanência e eliminando taxa de entrega.

É importante frisar que para que esses serviços sigam em tendência, é necessário que o atendimento remoto continue com alta qualidade, com embalagens bem estruturadas e lacradas devidamente e que os alimentos e bebidas sejam entregues na temperatura adequada para o cliente.

Outra tendência que vem junto com o delivery e o take away são as “comfort foods”, a famosa comidinha caseira. Afinal, a quarentena foi muito maior do que o esperado e nem todo mundo colocou seus dotes de Masterchef em prática. Então nada melhor do que uma comidinha que aquece o coração chegando no conforto da sua casa, certo?

E finalmente, mais do que nunca a tecnologia também se fez presente, e neste novo modelo de mundo que vivemos os cardápios digitais e on-line apresentam-se como soluções que facilitam os processos dos bares e restaurantes, além de restringir o contato de atendimento. No on-line os consumidores podem escolher os produtos de forma mais prática, enquanto que os gestores dos empreendimentos conseguem otimizar o tempo de atendimento da equipe. Além disso, já ficou comprovado que ele aumenta o ticket médio dos pedidos, por permitir que com a digitalização o ambiente (salão, cozinha e administrativo) esteja integrado e assim diminua os gastos internos, os erros de atendimento e possibilite um serviço mais rápido e eficaz.

Com o cardápio digital o cliente acessa as opções do estabelecimento por meio de Qr Code, e pode escolher sozinho os acompanhamentos, sobremesas ou bebidas que preferirem, abrindo margem para um atendimento imediato, que faz consequentemente que o estabelecimento consiga atender mais pessoas. Além disso, com essa digitalização, o cardápio impresso é substituído, evitando assim o contágio na pandemia e sendo uma opção mais sustentável.

Sem dúvidas o desafio continua para este ou qualquer outro segmento em 2021. Sobreviventes já somos, agora nos resta buscar os melhores parceiros e alternativas para que a retomada chegue trazendo o crescimento esperado para os próximos anos.

*Marcelo Ferri, CEO do ControleNaMão

Tudo o que sabemos sobre:

Artigo

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.