Vídeo viral não é de ‘tufão em Petrópolis’, e sim de fenômeno raro em cidade mineira

Vídeo viral não é de ‘tufão em Petrópolis’, e sim de fenômeno raro em cidade mineira

Vídeo foi feito em Ibirité (MG) e postado no TikTok no dia 15 de fevereiro de 2022, mesma data do temporal que atingiu a Região Serrana do Rio de Janeiro

Clarissa Pacheco

25 de fevereiro de 2022 | 11h49

O vídeo de uma espécie de “nuvem vertical” em uma área de morros de Ibirité, na Região Metropolitana de Belo Horizonte (MG), vem sendo compartilhado nas redes com a informação falsa de que se trata de um tufão atingindo a cidade de Petrópolis, na Região Serrana do Rio de Janeiro. As imagens foram postadas originalmente em uma conta do TikTok no dia 15 de fevereiro de 2022 e gravadas em uma rua do bairro Palmeiras, em Ibirité, que fica a quase 400 quilômetros da cidade fluminense. No vídeo original não há qualquer referência a Petrópolis.

Naquele mesmo dia, um temporal atingiu a cidade no estado do Rio de Janeiro, que registrou, em apenas seis horas, 260 milímetros de chuva, mais do que o volume esperado para todo o mês de fevereiro – 240 mm. Uma semana depois do temporal, o número de mortos na cidade chegou a 198, e ainda há 89 desaparecidos. Apesar da coincidência de datas, o evento que aparece nas imagens não tem relação com a chuva de Petrópolis, não é um tufão e tampouco de uma tromba d’água – que só atinge superfícies de água, como mar, rios e lagos, conforme explicou o Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet).

Para o coordenador do 5º Distrito de Meteorologia de Minas Gerais (Disme/Inmet), Lizandro Gemiacki, o mais provável é que o vídeo tenha registrado uma pluma de condensação ocorrida nas imediações da Refinaria Gabriel Passos (Regap), que fica na cidade vizinha de Betim.

“Conversando com colegas, chegamos na hipótese de ser relacionada a alguma pluma de condensação que estivesse saindo da refinaria Regap, em Betim, que fica próximo, juntamente com a condição atmosférica relacionada à alta umidade e condição de tempestade”, explicou Gemiacki.

Embora esteja localizada em Betim, a refinaria fica a apenas cinco quilômetros de distância da Rua Areca, de onde foram feitas as imagens, e está na mesma direção de onde a nuvem aparece. Em linha reta, a distância é de 2.800 metros. Em nota, a Prefeitura de Ibirité informou que enviou uma equipe ao local, confirmando que as imagens foram mesmo feitas de lá. A nota destaca que o local onde a nuvem aparece é um território fechado que pertence a Ibirité, e que logo à direita está a Refinaria Gabriel Passos.

Refinaria Gabriel Passos fica próxima ao local onde a nuvem se formou. Foto: Reprodução/Google Maps

A pluma de condensação não é um fenômeno muito comum. Segundo Lizando Gemiacki, acontece em situações em que a umidade do ar está muito alta e há uma emissão de vapor, que se condensa rapidamente formando uma “nuvem instantânea”. O Estadão Verifica não conseguiu localizar relatos na imprensa local sobre as imagens, e a própria Prefeitura de Ibirité informou que, mesmo com as chuvas do início de 2022 na cidade, não foi percebido o compartilhamento das imagens. Mas um morador de Contagem, cidade vizinha a Betim, confirmou que ouviu falar rapidamente sobre o fenômeno raro na televisão nos últimos dias, sem conseguir precisar uma data.

O local do vídeo

O vídeo verificado tem 30 segundos de duração e foi postado em uma conta do Kwai com uma moldura que já o identifica, erroneamente, como um “tufão de água” atingindo Petrópolis. Contudo, uma busca reversa de imagens a partir de um frame leva até um tuíte feito no dia 17 de fevereiro de 2022 que não exibe a mesma moldura, e sim uma reprodução de uma postagem no TikTok. Lá, é possível identificar o nome de um usuário que fez a postagem original em 15 de fevereiro, onde não há qualquer menção à cidade de Petrópolis.

A partir do segundo 00:16, ficam visíveis no vídeo um poste e uma placa amarela com nome, telefone e endereço de uma academia. O telefone tem o DDD 31, utilizado em Belo Horizonte e cidades da Região Metropolitana. Já o endereço aponta para a Avenida Babaçu, nº 445, no bairro Palmares – é a Academia Djully Fitness, que fica neste mesmo local em Ibirité. Ao buscar por ruas próximas a esse endereço no Google Maps, o Estadão Verifica chegou até a Rua Areca, em um ponto aos pés de uma ladeira bem próximo do acesso à Rua Papa Paulo VI.

Telefone com DDD 31 e endereço da academia, que fica em Ibirité (MG). Foto: Reprodução

Publicidade no poste, em imagem de junho de 2021, é diferente, mas se refere à mesma academia; imóvel e muro também aparecem no vídeo. Foto: Reprodução/Google Maps

Em contato com o Verifica, a autora do vídeo confirmou que ele foi feito no dia 15 e fevereiro de 2022 em Ibirité. Ela não soube responder se o fenômeno foi noticiado na imprensa local porque estava trabalhando quando gravou as imagens. O vídeo tem um áudio de tempestade de fundo, mas ele não é original, e sim um efeito inserido no TikTok.

Temporal em Petrópolis

De acordo com a agência Climatempo, o temporal que começou a atingir Petrópolis em 15 de fevereiro foi provocado pela chegada de uma frente fria ao litoral do Rio de Janeiro, associado ao ar abafado que já estava espalhado por todo o estado. A umidade vinda da Amazônia acabou canalizada na Região Serrana do Rio por conta da grande quantidade de montanhas, explicou o meteorologista César Ferreira Soares, da Climatempo.

A interação dessa frente fria com o ar quente formou nuvens carregadas particularmente sobre a região de Petrópolis, o que resultou na chuva extrema que desabou sobre a cidade no dia 15 de fevereiro. De acordo com o Inmet, ainda há previsão de chuvas intensas na região para os próximos dias. O Instituto emitiu um alerta de perigo potencial para municípios, além do Rio de Janeiro, do Sul de Minas Gerais, Norte de São Paulo, parte de Goiás e do Mato Grosso do Sul.


Este boato foi checado por aparecer entre os principais conteúdos suspeitos que circulam no Facebook. O Estadão Verifica tem acesso a uma lista de postagens potencialmente falsas e a dados sobre sua viralização em razão de uma parceria com a rede social. Quando nossas verificações constatam que uma informação é enganosa, o Facebook reduz o alcance de sua circulação. Usuários da rede social e administradores de páginas recebem notificações se tiverem publicado ou compartilhado postagens marcadas como falsas. Um aviso também é enviado a quem quiser postar um conteúdo que tiver sido sinalizado como inverídico anteriormente.

Um pré-requisito para participar da parceria com o Facebook  é obter certificação da International Fact Checking Network (IFCN), o que, no caso do Estadão Verifica, ocorreu em janeiro de 2019. A associação internacional de verificadores de fatos exige das entidades certificadas que assinem um código de princípios e assumam compromissos em cinco áreas:  apartidarismo e imparcialidade; transparência das fontes; transparência do financiamento e organização; transparência da metodologia; e política de correções aberta e honesta. O comprometimento com essas práticas promove mais equilíbrio e precisão no trabalho.

publicidade

publicidade

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.