Vídeo compara manifestações em datas e cidades diferentes para duvidar de pesquisas eleitorais

Vídeo compara manifestações em datas e cidades diferentes para duvidar de pesquisas eleitorais

Imagens mostram protesto contra o governo em Belo Horizonte, em 3 de julho de 2021, e ato bolsonarista em Brasília, no dia 7 de setembro; post ignora que institutos seguem métodos científicos para medir a popularidade de forma correta

Samuel Lima

10 de maio de 2022 | 16h36

Para exaltar o presidente Jair Bolsonaro (PL) e duvidar de resultados de pesquisas do Datafolha, usuários do Facebook estão compartilhando um vídeo que compara atos a favor e contra o político em datas e cidades diferentes. O protesto contra Bolsonaro mostrado na filmagem que viralizou ocorreu em Belo Horizonte (MG), no dia 3 de julho de 2021, enquanto as imagens dos apoiadores do presidente foram registradas em Brasília (DF), no dia 7 de setembro de 2021. O Estadão Verifica encontrou a origem dos vídeos por meio de buscas reversas no Google e pesquisas pelo nome do perfil do TikTok que aparece em uma parte do material. 

O vídeo da manifestação contra Bolsonaro foi divulgado por uma militante do PT e ex-candidata a prefeita de Uberaba (MG) em 3 de julho do ano passado, quando atos contrários ao governo ocorreram em diversas cidades do País. A configuração da praça e dos prédios ao redor permite concluir que o conteúdo foi gravado na Praça da Estação, no centro da capital mineira, Belo Horizonte. O grupo aparece em um carro de som cantando a música “Vermelho”, famosa na voz de Fafá de Belém. 

Segundo informações do portal G1, o protesto pedia vacina contra a covid-19 para todos, comida no prato dos brasileiros e impeachment de Bolsonaro. A concentração começou às 14h, na Praça da Liberdade, e os manifestantes seguiram em caminhada pela cidade, passando pelas avenidas João Pinheiro e Andradas até a Praça da Estação, onde o ato foi encerrado por volta das 18h. Nota-se pelas imagens que o protesto já estava mais esvaziado e o horário era próximo do anoitecer.

O vídeo da manifestação a favor do presidente foi divulgado por uma conta no Twitter que se diz “terrivelmente bolsonarista”, no dia 7 de setembro de 2021. Naquela data, o próprio Bolsonaro convocou seus apoiadores e discursou em manifestação na Esplanada dos Ministérios. Não houve levantamento oficial sobre a quantidade de pessoas no ato de Brasília, mas o número aparenta ser significativamente maior do que no protesto de Belo Horizonte. Bolsonaro também compareceu a um ato na Avenida Paulista, em São Paulo, que teve 125 mil participantes, segundo estimativa da Polícia Militar.

Pesquisas

Grupos bolsonaristas costumam espalhar fotos e vídeos comparando protestos para desqualificar pesquisas eleitorais e de popularidade do governo divulgadas por institutos de opinião, como o Datafolha. Esse estratégia, no entanto, ignora o fato de que os levantamentos seguem métodos científicos para medir adequadamente a opinião pública em uma amostra representativa da população brasileira — incluindo características sociodemográficas como sexo, raça, idade, escolaridade, local de moradia e renda. 

Na época que o post foi divulgado pela primeira vez no Facebook, a pesquisa mais recente do Datafolha sobre o governo Bolsonaro havia sido feita em 7 e 8 de julho e apontou recorde de reprovação de 51% — percentual da população que considerava a gestão ruim/péssima. A pesquisa indicava ainda que 24% avaliavam o governo como ótimo/bom e outros 24% como regular, enquanto 1% não responderam.

Entre 13 e 15 de setembro, o Datafolha fez uma nova rodada da pesquisa e mostrou que a avaliação negativa havia aumentado para 53%; outros 24% consideraram a gestão regular, 22% como ótimo/bom e 1% não responderam. O levantamento mais atual do Datafolha sobre a avaliação geral do governo é de 22 e 23 de março e mostrou que o presidente Jair Bolsonaro reduziu o índice de reprovação para 46%; a aprovação subiu para 25% e aqueles que consideram o governo regular aumentaram para 28% — os mesmos 1% não responderam. 

A margem de erro em todas as pesquisas do Datafolha citadas é de dois pontos percentuais para mais ou para menos. Em relação a cenários de intenção de voto para presidente nas eleições de outubro, os principais levantamentos indicam que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) vem liderando, com Bolsonaro em segundo.


Este boato foi checado por aparecer entre os principais conteúdos suspeitos que circulam no Facebook. O Estadão Verifica tem acesso a uma lista de postagens potencialmente falsas e a dados sobre sua viralização em razão de uma parceria com a rede social. Quando nossas verificações constatam que uma informação é enganosa, o Facebook reduz o alcance de sua circulação. Usuários da rede social e administradores de páginas recebem notificações se tiverem publicado ou compartilhado postagens marcadas como falsas. Um aviso também é enviado a quem quiser postar um conteúdo que tiver sido sinalizado como inverídico anteriormente.

Um pré-requisito para participar da parceria com o Facebook  é obter certificação da International Fact Checking Network (IFCN), o que, no caso do Estadão Verifica, ocorreu em janeiro de 2019. A associação internacional de verificadores de fatos exige das entidades certificadas que assinem um código de princípios e assumam compromissos em cinco áreas:  apartidarismo e imparcialidade; transparência das fontes; transparência do financiamento e organização; transparência da metodologia; e política de correções aberta e honesta. O comprometimento com essas práticas promove mais equilíbrio e precisão no trabalho.

publicidade

publicidade

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.