Vídeo mostra âncoras rindo de clipe de gatinho, e não de taxa de eficácia da Coronavac
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Vídeo mostra âncoras rindo de clipe de gatinho, e não de taxa de eficácia da Coronavac

Gravação de 2017 foi editada para parecer que jornalistas faziam piada com imunizante e o governador João Doria

Alessandra Monnerat

13 de janeiro de 2021 | 15h15

É falso que um vídeo que viralizou no Instagram e no Twitter mostre âncoras de televisão rindo da taxa de eficácia da Coronavac. Na realidade, a gravação é de agosto de 2017, quando jornalistas da emissora local THV11, do estado americano do Arkansas, gargalhavam depois de reproduzir o vídeo de um gatinho. O clipe foi manipulado para incluir uma tarja com as frases em inglês “Governador Doria sem credibilidade” e “Eficácia da CoronaVac chega aos 49%”.

O Instituto Butantã anunciou nesta terça-feira, 13, que a CoronaVac tem eficácia geral de 50,4%. Os dados indicam que a vacina reduziu em 50,38% o número de casos sintomáticos de covid-19 entre os participantes da pesquisa e em 78% o número de infecções leves mas que precisaram de alguma intervenção médica. Inicialmente, o governo paulista havia divulgado apenas a taxa mais alta, de 78%.

Nas redes sociais, perfis bolsonaristas passaram a criticar a taxa de eficácia do imunizante — embora cientistas considerem que o grau de proteção é suficiente para auxiliar no combate à covid-19. No Twitter, um usuário publicou o vídeo com os âncoras rindo e o comentário “(o governador de São Paulo, João) Doria e a eficácia da Coronovac viraram piada internacional” e obteve 8,5 mil curtidas e 2,9 mil retweets.

No vídeo original, de 2017, a âncora Laura Monteverdi não consegue parar de rir de um vídeo em que um gato salta de dentro de uma bolsa de papel. Veja abaixo:

Compare imagens do vídeo original e do editado para incluir referências à Coronavac e a Doria. As roupas e as posições dos apresentadores são as mesmas nos dois vídeos.

Vídeo original. Foto: Reprodução/YouTube

Vídeo editado. Foto: Reprodução/Twitter

publicidade

publicidade

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.