Vídeo de pessoas roubando porcos foi gravado na Colômbia, não na Argentina
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Vídeo de pessoas roubando porcos foi gravado na Colômbia, não na Argentina

Imagens foram tiradas de contexto para atacar governo do país vizinho

Pedro Prata

18 de maio de 2021 | 15h36

Circula fora de contexto um vídeo que mostra pessoas roubando porcos de uma fazenda na Colômbia. No WhatsApp, a gravação é compartilhada como se mostrasse “avicultores e suinocultores atacados na Argentina pela população faminta”, o que é falso. Leitores solicitaram a checagem deste conteúdo pelo WhatsApp do Estadão Verifica, 11 97683-7490.

Vídeo foi gravado na Colômbia, não na Argentina. Foto: Reprodução

A gravação mostra um grupo de pessoas nas instalações de um centro criador de porcos. Alguns animais são puxados e arrastados, enquanto outro é colocado em cima de uma motocicleta. Ao final do vídeo, é possível ver um homem dizer “cosa loca, hermano”, o que mostra que ele foi gravado em um país de língua espanhola. Mas será que realmente estamos falando da Argentina?

Uma busca no Google pelas palavras-chave “la gente roba cerdos” (“pessoas roubam porcos”, em tradução livre) permite encontrar a notícia “Alarma en el norte del Cauca por el saqueo a granjas” (“Alarme no norte do Cauca devido ao saque de fazendas”, em tradução livre) no site do jornal colombiano El Tiempo. A reportagem relata que, em 6 de maio, pessoas invadiram uma fazenda e roubaram cerca de mil porcos e 20 frangos no município de Puerto Tejada, no norte da região de Cauca.

Nas redes sociais colombianas, circulou a informação de que a empresa Cervalle seria o alvo dos roubos. No entanto, a Cervalle negou alegações de que uma de suas fazendas teria sido invadida. Na verdade, a vítima foi uma produtora da mesma região onde ela se localiza, motivo pelo qual gerou-se o rumor de que ela seria uma das afetadas.

“A Cervalle lamenta profundamente os ocorridos hoje, 6 de maio, em uma fazenda de porcos no norte do departamento de Cauca”, diz o comunicado. “Esclarecemos que os vídeos que circulam nas redes sociais não correspondem às granjas da empresa. As mesmas fazem parte do sindicato suíno da nossa área e por isso surgiu a confusão. Prestamos solidariedade com as fazendas afetadas e esperamos que elas possam se recuperar para continuar contribuindo com o setor e o desenvolvimento do nosso país”.

Pelo Facebook, a empresa confirmou ao Estadão Verifica que o vídeo viral foi gravado naquela região. “Correto, o vídeo que você nos mandou mostra um lamentável ocorrido em nossa cidade”, diz a mensagem.

A Colômbia vive dias de agitação social desde meados de abril, quando o governo de direita de Iván Duque propôs uma reforma tributária para combater a crise econômica causada pela pandemia. Vários setores da sociedade convocaram grandes protestos contra o que consideraram um aumento de impostos e o governo retirou a reforma de tramitação. As forças policiais reagiram com violência aos protestos e manifestantes foram mortos, o que intensificou os atos.

Já a Argentina é alvo de desinformação desde que o candidato de esquerda Alberto Fernández venceu o candidato à reeleição Mauricio Macri, nas eleições de 2019. O Estadão Verifica desmentiu que um vídeo de uma grande manifestação em Buenos Aires mostrasse ato contrário à estatização temporária de uma empresa produtora de soja que havia pedido recuperação judicial.

O site Aos Fatos também checou este conteúdo.

publicidade

publicidade

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.