Vídeo de ex-vereador preso em flagrante por porte ilegal de armas circula fora de contexto
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Vídeo de ex-vereador preso em flagrante por porte ilegal de armas circula fora de contexto

Postagens tentam relacionar político ao PT e ao PSOL, mas Jaime Ferreira de Lima Filho foi eleito em Guarujá pelo PP

Pedro Prata

02 de dezembro de 2020 | 17h25

É falso que um ex-vereador preso por porte ilegal de armas seja filiado ao PT ou ao PSOL. Um vídeo que mostra a prisão de Jaime Ferreira de Lima Filho, o Jaiminho, tem sido compartilhado em postagens que atacam as duas legendas. Na verdade, Jaiminho foi eleito vereador de Guarujá, no litoral paulista, pelo Progressistas (PP) — partido ao qual ele ainda é filiado. A ação policial ocorreu no final de novembro, em Salvador, e o vídeo foi publicado pelo jornal A Tribuna.

A gravação foi enviada por leitores ao WhatsApp do Estadão Verifica, (11) 97683-7490, para checagem.

Foto: Reprodução

De acordo com o Tribunal Superior Eleitoral (TSE), Jaiminho foi eleito vereador do Guarujá em 2008. Diferentemente do que dizem as postagens, ele era então filiado ao PP. Em 2004, ele já havia tentado se eleger pelo PDT, mas não teve êxito.

Em 2012, conseguiu a reeleição, desta vez pelo PMDB, em coligação com o PHS. Quatro anos depois, Jaiminho estava de volta ao PP. Tentou um novo mandato, mas dessa vez não obteve votos suficientes. Naquele ano, a coligação Novo Rumo Guarujá contava também com o PMN e o PPL.

Segundo a Polícia Rodoviária Federal (PRF), o homem foi preso em flagrante próximo a uma balsa de Salvador. Ele estava com 13 pistolas, 16 carregadores e 1,6 mil munições escondidos no painel de um carro.

O vídeo ganhou repercussão nas redes sociais ao ser compartilhado pelo deputado federal Capitão Augusto (PL-SP). Inicialmente, ele publicou que Jaiminho era filiado ao PT/PSOL, mas corrigiu o post horas depois e retirou a menção aos partidos.

Uma versão enganosa do vídeo postada por outro usuário teve ao menos 1,2 mil compartilhamentos no Facebook.

publicidade

publicidade

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.