Vídeo de abordagem policial em metrô contra torcidas organizadas na Romênia circula fora de contexto
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Vídeo de abordagem policial em metrô contra torcidas organizadas na Romênia circula fora de contexto

É falso que gravação tenha sido feita em Paris; também não é verdade que policiais tenham agido porque jovens não usavam máscaras

Alessandra Monnerat

14 de novembro de 2020 | 18h35

Um vídeo que mostra uma abordagem policial na Romênia a integrantes de torcidas organizadas de futebol circula com legendas falsas no Facebook e no WhatsApp. A gravação é do dia 2 de outubro, quando agentes em Bucareste detiveram torcedores que se comportaram de forma violenta após jogo entre os clubes CSA Steaua e Dinamo Bucureșt. O vídeo ganhou outro contexto nas redes sociais, onde postagens afirmavam que os jovens foram detidos em Paris por não usarem máscaras.

No vídeo, os agentes policiais gritam com jovens que entram no vagão de metrô e violentamente obrigam os torcedores deitarem no chão. A gravação foi enviada por leitores ao WhatsApp do Estadão Verifica, 11 97683-7490.

Um post no Facebook afirma o seguinte: “Aconteceu em Paris. Jovens entraram no metrô sem máscaras e começaram a cuspir na cara dos outros que iam no metrô. A polícia foi avisada e foi lá dialogar, pacificamente, com eles, os cuspidores. Como se trata de uma Polícia de primeiro mundo, da velha e civilizada Europa, protetora dos direitos humanos, que nunca usa a violência para controlar distúrbios, rapidamente convenceu os cuspidores a interromper a inocente brincadeira”.

Para encontrar o vídeo original, usamos a ferramenta de verificação de vídeo InVid. Dessa forma, foi possível achar uma postagem no YouTube que indica que o caso ocorreu em 2 de outubro, em Bucareste. Registros da imprensa local confirmaram que a abordagem policial visou integrantes de torcidas organizadas conhecidas como “ultras”. 

Os sites Maldita.Es, Newtral, Boatos.Org também checaram este vídeo.

publicidade

publicidade

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.