Vídeo de 2012 é compartilhado como se mostrasse queda de avião de Marília Mendonça

Vídeo de 2012 é compartilhado como se mostrasse queda de avião de Marília Mendonça

Imagens que viralizaram no Facebook mostram, na verdade, acidente ocorrido em Jundiaí

Alessandra Monnerat

09 de novembro de 2021 | 18h00

Imagens de um acidente aéreo ocorrido em 2012 têm sido compartilhadas nas redes sociais como se mostrassem a queda do avião que transportava a cantora Marília Mendonça, morta na última sexta-feira, 5. Na realidade, o vídeo que viralizou no Facebook foi filmado em Jundiaí, no interior de São Paulo, quando uma aeronave bimotor caiu.

Para encontrar o vídeo original, fizemos uma busca reversa de imagens do vídeo no Google (aprenda a usar essa ferramenta aqui). Um dos resultados da pesquisa era um artigo de setembro deste ano, que afirmava que a filmagem era de um acidente em Piracicaba, também no interior paulista. 

Ao procurar por mais informações sobre a queda do avião em Piracicaba, um dos primeiros resultados no Google era de uma notícia do portal G1, que informava que um vídeo de 2012 estava sendo compartilhado fora de contexto. A localização verdadeira da filmagem, segundo o G1, era em Jundiaí.

Finalmente, pesquisamos a respeito do acidente em Jundiaí. No YouTube, um usuário publicou uma reportagem do Jornal da Globo sobre o ocorrido. Segundo a matéria, o piloto morreu ao tentar pousar uma aeronave bimotor no aeroporto da cidade. As imagens são as mesmas que viralizaram recentemente como sendo do avião de Marília Mendonça. 

Aviso: as imagens são impressionantes.

Marília morreu na sexta-feira, em um acidente aéreo ocorrido próximo à cidade de Piedade de Caratinga, em Minas Gerais. À bordo da aeronave também estavam o produtor Henrique Ribeiro, o assessor Abicieli Silveira Dias Filho, além do piloto Geraldo Martins de Medeiros e do co-piloto Tarciso Pessoa Viana. As causas do acidente ainda não foram esclarecidas.

A cantora tinha 26 anos e deixou um filho de 1 ano e meio. Uma das artistas mais populares do Brasil, fez sucesso ao escrever e cantar de forma direta sobre a vida de quem sofre por amor. No sertanejo, gênero historicamente dominado por homens, foi reconhecida por abrir espaço para o ponto de vista feminino. Seu último trabalho foi com as amigas Maiara e Maraisa, no projeto Patroas.

Fique atento: em momentos de comoção nacional, como a morte de Marília Mendonça, é comum que circulem muitas informações falsas. Frequentemente, produtores de desinformação procuram mexer com nossa reação emocional para viralizar um conteúdo falso. Antes de compartilhar uma mensagem, pesquise se o que você recebeu foi confirmado por órgãos oficiais ou de imprensa. Leia nosso guia com dicas para evitar o compartilhamento de notícias falsas.

AFP, Aos Fatos e Fato ou Fake também checaram este conteúdo.

Este boato foi checado por aparecer entre os principais conteúdos suspeitos que circulam no Facebook. O Estadão Verifica tem acesso a uma lista de postagens potencialmente falsas e a dados sobre sua viralização em razão de uma parceria com a rede social. Quando nossas verificações constatam que uma informação é enganosa, o Facebook reduz o alcance de sua circulação. Usuários da rede social e administradores de páginas recebem notificações se tiverem publicado ou compartilhado postagens marcadas como falsas. Um aviso também é enviado a quem quiser postar um conteúdo que tiver sido sinalizado como inverídico anteriormente.

Um pré-requisito para participar da parceria com o Facebook  é obter certificação da International Fact Checking Network (IFCN), o que, no caso do Estadão Verifica, ocorreu em janeiro de 2019. A associação internacional de verificadores de fatos exige das entidades certificadas que assinem um código de princípios e assumam compromissos em cinco áreas:  apartidarismo e imparcialidade; transparência das fontes; transparência do financiamento e organização; transparência da metodologia; e política de correções aberta e honesta. O comprometimento com essas práticas promove mais equilíbrio e precisão no trabalho.

publicidade

publicidade

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.