Vídeo antigo de torcida do Corinthians é compartilhado como se mostrasse ato de PMs na Bahia
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Vídeo antigo de torcida do Corinthians é compartilhado como se mostrasse ato de PMs na Bahia

Imagens da Gaviões da Fiel marchando em direção ao Allianz Parque em 2015 foram tiradas de contexto após a morte do cabo Wesley Soares

Gabi Coelho, especial para o Estadão

30 de março de 2021 | 17h43

Atualizada às 18h para incluir nota da Gaviões da Fiel.

Um vídeo de torcedores do Corinthians, gravado em 2015, circula fora de contexto nas redes sociais e no WhatsApp. As imagens têm sido compartilhadas como se mostrassem uma manifestação de policiais militares contra o governo da Bahia, motivada pela morte do cabo Wesley Soares. Durante um surto, o agente de segurança pública efetuou uma série de disparos de fuzil para o alto e contra outros oficiais no Farol da Barra, em Salvador (BA), no domingo, 28.

Internautas compartilharam o vídeo alegando que a PM marchava rumo ao Palácio do Governo “pedindo a cabeça” do governador baiano, Rui Costa (PT). O Estadão Verifica utilizou a ferramenta de busca reversa de imagens do Google para encontrar outras vezes em que o vídeo tinha sido publicado, e identificou uma postagem no YouTube de 6 de setembro de 2015. 

Na ocasião, o Corinthians enfrentou o Palmeiras no Allianz Parque, durante a 23ª rodada do Campeonato Brasileiro. No YouTube, o vídeo é descrito como uma ação da torcida organizada Gaviões da Fiel.

No Twitter, a Gaviões infirmou que não protestou contra o governador da Bahia. Segundo a organizada, a gravação é de 8 de fevereiro de 2015. Naquela data, o Corinthians também enfrentou o Palmeiras no Allianz — daquela vez, pelo Campeonato Paulista.

Na manhã desta segunda-feira, 29, um grupo pequeno de policiais fez um protesto na região do Farol da Barra para pedir justiça pela morte do policial. Segundo a Superintendência de Trânsito do Salvador (Transalvador), outro grupo de militares também fez carreata na Avenida Bonocô, sentido Iguatemi. Não houve uma marcha como a mostrada no vídeo da Gaviões da Fiel. 

Manifestação PM-BA 

Após a morte do soldado na Bahia, parlamentares bolsonaristas estimularam, no Twitter, motim da PM contra o governador Rui Costa. Nas redes sociais, espalharam-se mensagens enganosas que afirmavam que a ação de Wesley seria um protesto contra as medidas restritivas adotadas pelo governo do Estado para conter a pandemia de covid-19.

De acordo com a Secretaria de Segurança Pública da Bahia, Wesley teria sofrido um “surto psicótico” por razão ainda desconhecida. O comandante-geral da PM da Bahia, coronel Paulo Coutinho, disse na última segunda-feira, 29, que o soldado “alternava picos de lucidez com loucura” e tinha dificuldades para entender o que estava acontecendo.

Esse boato também foi checado pelo Aos Fatos

Este boato foi checado por aparecer entre os principais conteúdos suspeitos que circulam no Facebook. O Estadão Verifica tem acesso a uma lista de postagens potencialmente falsas e a dados sobre sua viralização em razão de uma parceria com a rede social. Quando nossas verificações constatam que uma informação é enganosa, o Facebook reduz o alcance de sua circulação. Usuários da rede social e administradores de páginas recebem notificações se tiverem publicado ou compartilhado postagens marcadas como falsas. Um aviso também é enviado a quem quiser postar um conteúdo que tiver sido sinalizado como inverídico anteriormente.

Um pré-requisito para participar da parceria com o Facebook  é obter certificação da International Fact Checking Network (IFCN), o que, no caso do Estadão Verifica, ocorreu em janeiro de 2019. A associação internacional de verificadores de fatos exige das entidades certificadas que assinem um código de princípios e assumam compromissos em cinco áreas:  apartidarismo e imparcialidade; transparência das fontes; transparência do financiamento e organização; transparência da metodologia; e política de correções aberta e honesta. O comprometimento com essas práticas promove mais equilíbrio e precisão no trabalho.

publicidade

publicidade

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.