Trechos de poema falsamente atribuído a Chaplin são de livro de autoajuda
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Trechos de poema falsamente atribuído a Chaplin são de livro de autoajuda

Texto que viralizou no Facebook copia e altera trechos de ‘Quando me amei de verdade’, de Kim e Alison McMillen

Pedro Prata

03 de setembro de 2020 | 12h13

É falso que o ator e diretor Charles Chaplin seja o autor do poema Quando me amei, que viralizou no Facebook. Trata-se de um texto montado a partir de trechos da obra das autoras norte-americanas Kim e Alison McMillen. O texto foi compartilhado ao menos 2,2 mil vezes, por isso o Estadão Verifica checou seu conteúdo.

“O seu poema ‘Quando me Amei’, acredita-se que escreveu quando tinha mais de 70 anos… veja que lindeza!”, diz a peça de desinformação, referindo-se a Charles Chaplin. O texto acompanha a foto colorida de um jovem cujo texto afirma ser Chaplin aos 26 anos de idade.

O Estadão Verifica buscou palavras-chave do texto viral no Google e encontrou um livro chamado Quando me amei de verdade, escrito por Kim e Alison McMillen, respectivamente mãe e filha. A obra foi publicada em inglês pela Pan MacMillan em 2001.

Charles Chaplin se consagrou com seu personagem Carlitos. Foto: Acervo Estadão

O livro chegou ao Brasil pela editora Sextante em 2003. Ao Estadão Verifica, a assessoria de comunicação da editora confirmou que o poema viral contém trechos modificados do livro. “Este é um título antigo da Editora Sextante, publicado no ano de 2003, e já não está mais ativo em nosso catálogo. Foi um de nossos primeiros títulos”, comunicou a editora.

A editora enviou à reportagem a foto das páginas de onde os trechos foram retirados. O texto viral contém um parágrafo que diz “Quando me amei de verdade, compreendi que, em qualquer circunstância, eu estava no lugar certo, na hora certa, no momento preciso. E, então, pude relaxar. Hoje sei que isso tem nome… AUTOESTIMA”. No texto original, lê-se “Quando me amei de verdade, pude compreender que, em qualquer circunstância, eu estava no lugar certo, na hora certa. Então, pude relaxar”.

Foto: Editora Sextante/Divulgação

Outro exemplo: no livro está originalmente escrito “Quando me amei de verdade, pude perceber que o sofrimento emocional é um sinal de que estou indo contra a minha verdad”e; o trecho foi adaptado para “Quando me amei de verdade, pude perceber que minha angústia e meu sofrimento emocional não são, senão, sinais de que estou indo contra minhas próprias verdades. Hoje sei que isso é… AUTENTICIDADE”.

Foto: Editora Sextante/Divulgação

Em outro trecho, o texto original do livro diz que “Quando me amei de verdade, deixei de temer meu tempo livre e desisti de fazer planos. Hoje faço o que acho certo e no meu próprio ritmo. Como isso é bom!”. Já na publicação viral, lê-se: “Quando me amei de verdade, deixei de me preocupar por não ter tempo livre e desisti de fazer grandes planos, abandonei os mega-projetos de futuro. Hoje faço o que acho certo, o que gosto, quando quero e no meu próprio ritmo. Hoje sei que isso é… SIMPLICIDADE”.

Foto: Editora Sextante/Divulgação

Ainda segundo o texto viral, Chaplin teria escrito que quando se amou de verdade, começou “a perceber por que é ofensivo tentar forçar alguma situação ou alguém apenas para realizar aquilo que desejo, mesmo sabendo que não é o momento ou a pessoa (talvez eu mesmo) não está preparada. Hoje sei que o nome disso é… RESPEITO”. Na verdade, o que Kim e Alison McMillen escreveram foi “comecei a perceber como é ofensivo tentar forçar alguma coisa ou alguém que ainda não está preparado — inclusive eu mesma”.

Foto: Editora Sextante/Divulgação

Não foi possível comprovar se a foto que acompanha o boato realmente mostra Chaplin aos 26 anos de idade.

Este boato foi checado por aparecer entre os principais conteúdos suspeitos que circulam no Facebook. O Estadão Verifica tem acesso a uma lista de postagens potencialmente falsas e a dados sobre sua viralização em razão de uma parceria com a rede social. Quando nossas verificações constatam que uma informação é enganosa, o Facebook reduz o alcance de sua circulação. Usuários da rede social e administradores de páginas recebem notificações se tiverem publicado ou compartilhado postagens marcadas como falsas. Um aviso também é enviado a quem quiser postar um conteúdo que tiver sido sinalizado como inverídico anteriormente.

Um pré-requisito para participar da parceria com o Facebook  é obter certificação da International Fact Checking Network (IFCN), o que, no caso do Estadão Verifica, ocorreu em janeiro de 2019. A associação internacional de verificadores de fatos exige das entidades certificadas que assinem um código de princípios e assumam compromissos em cinco áreas:  apartidarismo e imparcialidade; transparência das fontes; transparência do financiamento e organização; transparência da metodologia; e política de correções aberta e honesta. O comprometimento com essas práticas promove mais equilíbrio e precisão no trabalho.

Tudo o que sabemos sobre:

Charles Chaplinfake news [notícia falsa]

publicidade

publicidade

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: