Texto distorce fala de delação de Emílio Odebrecht sobre Lula

Empresário não disse que ex-presidente petista ‘sempre traiu a classe trabalhadora, desde os anos 70’

Tiago Aguiar

Você pode ler 5 matérias grátis no mês

ou Assinar por R$ 0,99

Você pode ler 5 matérias grátis no mês

ou Assinar por R$ 0,99

Você leu 4 de 5 matérias gratuitas do mês

ou Assinar por R$ 0,99

Essa é sua última matéria grátis do mês

ou Assinar por R$ 0,99

Atualizamos nossa política de cookies

Ao utilizar nossos serviços, você aceita a política de monitoramento de cookies.

Um texto do site ‘Jornal do País’ que circula nas redes sociais atribui incorretamente ao empresário Emílio Odebrecht uma declaração a respeito do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Além de inventar uma fala do empreiteiro, o artigo distorce outras informações sobre a delação premiada de Odebrecht em 2017.

Segundo o texto, Emílio disse que Lula “sempre traiu a classe trabalhadora, desde os anos 70”. Em nenhum momento da delação, que tem duração de mais de uma hora, o empresário faz essa declaração. 

O empresário Emílio Odebrecht. Foto: Paulo Giandalia/Estadão

O artigo enganoso também afirma que, segundo o empreiteiro, Lula “sempre foi um ‘coringa’ para ajudá-lo a aliciar os funcionários grevistas em suas indústrias na Bahia”. Na verdade, o que Emílio diz é que o ex-presidente o ajudou a melhorar as relações com os sindicatos que lideravam uma greve no Polo Petroquímico de Camaçari, na Bahia, nos anos 80. Segundo Odebrecht, a melhora nas relações com sindicatos foi benéfica em episódios posteriores à greve. Na delação, o empresário não dá mais detalhes sobre o episódio. 

O texto ainda inventa outras falas que não estão presentes na delação, como  “Lula se vendia barato, traindo os trabalhadores em favor dos empresários, desde o início, quando entrou para o sindicato”.

Emílio Odebrecht concedeu depoimentos no âmbito Operação Lava Jato a partir de acordo assinado com o Ministério Público Federal (MPF). A delação se tornou pública em abril de 2017.

Esta checagem foi feita por meio da parceria entre Estadão Verifica e Facebook.

Tudo o que sabemos sobre:

Encontrou algum erro? Entre em contato