Texto ataca artistas com dados falsos sobre Parada LGBT do Rio e Lei Rouanet 

Texto ataca artistas com dados falsos sobre Parada LGBT do Rio e Lei Rouanet 

Publicação acusa cantores de não participar de evento por falta de cachê, mas participação tradicionalmente não envolve pagamento

Marina Cardoso, Especial para O Estado

07 de outubro de 2019 | 17h13

Um texto publicado no site “Jornal do País” sugere, erroneamente, que vários artistas deixaram de se apresentar na 24.º Parada do Orgulho LGBT do Rio de Janeiro devido à falta de recursos da Lei Rouanet para o evento. 

Em entrevista ao Estadão Verifica, Cláudio Nascimento, coordenador-executivo do Grupo Arco-Íris, responsável pela organização da Parada, afirmou que o artigo é “fake do início ao fim”.

Há dez anos, a organização da Parada estabeleceu a regra de não pagar cachê a nenhum artista que se apresenta nos trios oficiais da organização. Antes disso, alguns nomes abriam mão do pagamento por conta própria.

Em 2019, por exemplo, foram mais de 100 apresentações de música, dança e teatro, incluindo os shows das cantoras Pablo Vittar e Lexa. Todas voluntárias e sem remuneração. Quanto aos custos operacionais (hospedagem, passagens etc), em alguns casos, o financiamento é feito por empresas privadas. 

O evento contou com nove trios elétricos e shows das cantoras Pabllo Vittar e Lexa Foto: EFE/FABIO MOTTA

Daniela Mercury e Preta Gil, citadas no texto, quando participaram em outras edições, não cobraram cachê. Anitta e Cláudia Leitte, também citadas, nem sequer foram convidadas oficialmente para o evento em 2019. 

“Esse ano, a Daniela não pôde participar porque estaria em turnê internacional”, explicou Nascimento. “A Preta participou por dois anos seguidos.” A escolha dos artistas convidados levou em conta a diversidade musical e o compromisso de valorizar artistas locais e em início de carreira. 

Segundo o coordenador da Parada, o evento está autorizado a captar recursos por meio da Lei Rouanet, mas este ano não houve empresas interessadas em patrocinar o evento.

publicidade

publicidade

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.