É falso que Brasil tenha importado bananas contaminadas da Somália

É falso que Brasil tenha importado bananas contaminadas da Somália

País africano não vende a fruta; Brasil só compra o produto de parceiros do Mercosul, como Argentina, Paraguai e Uruguai

Alessandra Monnerat

23 de novembro de 2021 | 17h39

É falso que o Brasil tenha importado da Somália 500 toneladas de banana infectada com um verme chamado Helicobacter. Uma mensagem alarmista circula no WhatsApp afirmando que as pessoas podem morrer ao comer a fruta contaminada. O texto é acompanhado de um vídeo em que uma pessoa abre uma banana e mostra um fiapo branco. Mas o alerta não é real: o Brasil não compra esses frutos da Somália. Além disso, o “verme” citado — que, na realidade, é uma bactéria — não poderia ser visto a olho nu.

A sugestão foi enviada por leitores ao número (11) 97683-7490 — clique para mandar uma mensagem.

O Estadão Verifica consultou o Ministério da Agricultura, que informou que só é autorizada importação de bananas de países do Mercosul, como Argentina, Paraguai e Uruguai. “O Brasil não importa banana da Somália”, disse o ministério. “Não há como essa carga ter ingressado no País de forma regular ou irregular, dada as características de armazenagem e transporte desse tipo de produto. Além disso, a Somália não é um país exportador de banana. Portanto, trata-se de notícia falsa e sem nenhum fundamento científico”. 

A Secretaria de Comércio Exterior do Ministério da Economia tem uma plataforma em que é possível consultar as exportações e importações brasileiras. Da Somália, o País comprou neste ano “peixes ornamentais”, “óleos essenciais” e “obras de plástico”. O volume de importações foi muito pequeno, totalizando US$ 4.892 ou 910 quilos. 

A mensagem no WhatsApp também erra ao afirmar que “Helicobacter” é o nome de um verme. Na verdade, é um gênero de bactérias, categoria à qual pertence o H. pylori, microrganismo comumente encontrado no estômago. Seu tamanho é muito pequeno — cerca de 3 micrômetros –, portanto não poderia ser visto a olho nu, como mostrado no vídeo.

O Ministério da Agricultura afirmou ainda que a bactéria não causa “morte cerebral em 12 horas”, como diz a corrente no WhatsApp. “A grande maioria das pessoas infectadas por H. pylori não têm qualquer sintoma e nunca irão desenvolver qualquer problema de saúde”, informou o ministério. “No entanto, sua presença pode estar associada com o surgimento de alguns problemas gastrointestinais como úlceras e, menos comumente, câncer. Não é letal”.

Vídeo começou a circular no Irã e viralizou na Índia

No vídeo que circula no WhatsApp, uma pessoa abre uma banana para encontrar um fiapo branco, enrolado em espiral. A gravação começou a circular no Irã, de acordo com uma checagem do site indiano Factly. Segundo a verificação, o vídeo viralizou na Índia e no sul da Ásia. No entanto, a Somália não exporta banana para esses países.

O site Newtral.Es, da Espanha, também registrou a viralização do vídeo. A checagem apurou que o país europeu não compra bananas somalis. A AFP mostrou que o boato chegou ainda na Argentina. Segundo um especialista consultado pela agência, o fiapo mostrado no vídeo é simplesmente uma fibra de banana. É provável que a fruta não tenha amadurecido corretamente.

publicidade

publicidade

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.