Site exagera número de igrejas católicas vandalizadas na França
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Site exagera número de igrejas católicas vandalizadas na França

O texto alega que 12 igrejas foram atacadas em apenas uma semana — na verdade, foram registrados oito casos em seis igrejas

Alessandra Monnerat

05 de junho de 2019 | 18h17

Igreja de Saint-Sulpice, em Paris, que foi incendiada em março. Foto: Google Maps

Um artigo no site Senso Incomum exagera o número de igrejas vandalizadas na França no início do ano. O texto alega que 12 igrejas foram atacadas em apenas uma semana — na verdade, foram registrados oito casos em seis igrejas, ao longo de um período de mais de sete semanas. A alegação falsa se baseia em publicação do site americano Breitbart, que já foi checada e considerada falsa pela agência de fact checking Snopes, dos Estados Unidos.

No Brasil, o artigo foi publicado no fim de março. O texto repercutiu após o incêndio na Catedral de Notre Dame, em Paris, e ressurgiu no Facebook nesta semana. A publicação afirma que a “profanação” de igrejas católicas seria um recorde, e parte de uma onda de “cristofobia”. No entanto, apenas um caso específico é citado: o incêndio na igreja de Saint-Sulpice, em Paris, que ocorreu no dia 17 de março (veja abaixo).

A checagem do Snopes levantou ataques contra seis igrejas, citados no artigo do Breitbart: Saint-Sulpice; Notre Dame des Enfants, Nîmes (vandalismo, 6 de fevereiro); Notre Dame, Dijon (vandalismo, 9 de fevereiro); Catedral de Lavaur (incêndio e vandalismo, 5 de fevereiro); Saint Nicolas, Houilles (atos de vandalismo em 25 de janeiro e 1º e 3 de fevereiro); Saint Nicolas, Maisons-Laffitte (vandalismo, 10 de fevereiro).

A semana em que mais ocorreram ataques foi entre os dias 3 e 10 de fevereiro, quando foram registrados cinco casos. As ocorrências chamaram a atenção da mídia francesa e do primeiro-ministro do país, Édouard Philippe, que tuitou sobre a situação.

Este conteúdo foi selecionado para checagem por meio da ferramenta de fact checking do Facebook (leia mais aqui). Para sugerir checagens, entre em contato por WhatsApp, no número (11) 99263-7900.

publicidade

publicidade

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.