Site divulga enquete para exagerar aprovação a governo Bolsonaro
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Site divulga enquete para exagerar aprovação a governo Bolsonaro

Artigo distorce enquete publicada no Twitter do portal UOL, em que 65% disseram aprovar postura do presidente no controle da pandemia; pesquisa de opinião Datafolha indica que aprovação da gestão federal é de 32%

Gabi Coelho, especial para o Estado

04 de agosto de 2020 | 13h09

Um artigo do site “Notícia Brasil Online” usa uma enquete publicada no Twitter do portal UOL Notícias para afirmar que o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) “tem aprovação de 65% da população no combate à pandemia”. A alegação é enganosa porque enquetes em redes sociais não têm valor científico e não podem ser usadas para representar a opinião de uma população. A última pesquisa Datafolha apontou que 32% consideram o governo federal “ótimo” ou “bom”.

O artigo analisado teve mais de 22,3 mil interações no Facebook e no Twitter, de acordo com a ferramenta CrowdTangle.

Os votos na enquete do UOL refletem apenas a opinião dos seguidores do portal na rede social e não há controle dos perfis que respondem. Pesquisas de opinião pública de institutos como Ibope ou Datafolha, por outro lado, seguem uma metodologia científica que permite selecionar um grupo de pessoas que representa o todo da população brasileira, ainda que em menor número. Os entrevistados cumprem cotas proporcionais de sexo, idade, escolaridade e outras características.

Na enquete do UOL, 65% dos respondentes afirmaram aprovar a postura de Bolsonaro no controle da pandemia de covid-19. Foram mais de 68 mil votos ao longo de cinco dias. A pergunta foi divulgada durante programa do apresentador Otaviano Costa, OTALAB, exibido em canal do UOL.

A pesquisa Datafolha de opinião pública mais recente aponta um cenário diferente. No levantamento realizado entre os dias 23 e 24 de junho, 32% disseram aprovar o governo e 44% afirmaram reprovar a gestão federal. O instituto ouviu por telefone 2.016 brasileiros de todas as regiões e Estados do País e, segundo a metodologia da pesquisa, “adotou as recomendações técnicas necessárias para que os resultados se aproximem ao máximo do universo que se pretende representar”. A margem de erro é de dois pontos para mais ou para menos.

A pergunta feita pelo Datafolha é a seguinte: “O presidente Jair Bolsonaro completou um ano e cinco meses de governo. Na sua opinião o presidente Jair Bolsonaro está fazendo um governo ótimo, bom, regular, ruim ou péssimo?” A pesquisa também ouviu a opinião dos entrevistados sobre Fabrício Queiroz, esquemas de rachadinha e sobre o nível de confiança nas declarações de Bolsonaro.

Nas redes sociais, é frequente que enquetes sejam apresentadas como pesquisas representativas da opinião pública. O Estadão Verificachecou outros exemplos.

Este boato foi checado por aparecer entre os principais conteúdos suspeitos que circulam no Facebook. O Estadão Verifica tem acesso a uma lista de postagens potencialmente falsas e a dados sobre sua viralização em razão de uma parceria com a rede social. Quando nossas verificações constatam que uma informação é enganosa, o Facebook reduz o alcance de sua circulação. Usuários da rede social e administradores de páginas recebem notificações se tiverem publicado ou compartilhado postagens marcadas como falsas. Um aviso também é enviado a quem quiser postar um conteúdo que tiver sido sinalizado como inverídico anteriormente.

Um pré-requisito para participar da parceria com o Facebook  é obter certificação da International Fact Checking Network (IFCN), o que, no caso do Estadão Verifica, ocorreu em janeiro de 2019. A associação internacional de verificadores de fatos exige das entidades certificadas que assinem um código de princípios e assumam compromissos em cinco áreas:  apartidarismo e imparcialidade; transparência das fontes; transparência do financiamento e organização; transparência da metodologia; e política de correções aberta e honesta. O comprometimento com essas práticas promove mais equilíbrio e precisão no trabalho.

publicidade

publicidade

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: